A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

29/07/2013 07:53

Em nova reação ao “Mais Médicos”, profissionais farão protesto na 4ª feira

Aline dos Santos
Médicos levaram caixão com foto da presidente Dilma Rousseff em protesto da semana passada.(Foto: Marcos Ermínio)Médicos levaram caixão com foto da presidente Dilma Rousseff em protesto da semana passada.(Foto: Marcos Ermínio)

Contrariados com a política do governo federal, os médicos vão fazer nova paralisação em Mato Grosso do Sul. O atendimento ambulatorial nas redes pública e privada será suspenso na próxima quarta-feira, dia 31 de julho.

Na semana passadas, os profissionais cruzaram os braços e protestaram nas ruas de Campo Grande. Na nova ação, os médicos vão se concentrar, a partir das 9h, na praça Ary Coelho e orientar a população em diversas áreas.

“Faremos um mutirão para orientar as pessoas sobre as dúvidas mais frequentes relacionadas à saúde. É importante ressaltar que não poderá ser feito atendimento no local, apenas orientações relacionadas às mais diversas dúvidas que envolvem a saúde”, explica o presidente do Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos), Marco Antônio Leite.

A mobilização de 24 horas é em protesto às decisões do governo federal, que aumentou em mais dois anos a duração do o curso de Medicina, vetou os principais pontos do Ato Médico, além do programa “Mais Médicos”, que permite a vinda de profissionais estrangeiros para o país, sem que passem pelo exame de revalidação de diploma.

Em Mato Grosso do Sul, 45 municípios solicitaram 217 médicos para atuarem nas unidades básicas de Saúde. No Estado, são 4.500 médicos, sendo a metade em Campo Grande.

Estudantes de medicina vão pressionar universidades que aderirem ao Mais Médicos
Em reunião com o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Geraldo Ferreira, representantes de alunos de cursos de medicina de 11 estados e do Di...
Depois que os médicos foram à justiça governo quer retirar medidas arbitrárias
Decididamente a classe médica toma rumo mais objetivo para decisão das pendências que além dos médicos já preocupava aos prefeitos municipais e à pop...


Existe muito cooperativismo na medicina, tudo para manter altos salários e baixa concorrência, o Governo investe altíssimo nos filhos da classe burguesa através de Universidades Públicas para não ter um retorno digno através do serviço público obrigatório. Isso tem que acabar! Médicos Estrangeiros já ou revalida para todos os médicos, inclusive os mais antigos que não se reciclaram.
 
Carlos Magno em 31/07/2013 11:22:01
Sr. Presidente do Sinmed/MS, a população, principalmente a mais carente, não está interessada em "Orientações " teóricas, quer é ser atendida por médicos nos hospitais e Upas! È uma vergonha essa oposição que vcs, da "casta" médica, estão fazendo ao programa "Mais Médicos" do Governo Federal!
 
MARCELLO MENDES em 29/07/2013 13:08:24
Infelizmente a classe médica brasileira é especializada na manutenção de seus privilégios. E esses podem ser levemente ameaçados com a proposta do governo. Mas não foi o governo federal que levou a assistência médica pública ao patamar (ruim) em que se encontra.
O que Campo Grande Ganhou por ter um prefeito, governador e presidente da Câmera de vereadores médicos???
Trabalhar mais para o próximo e um pouco menos para os lucros não faria mal à classe.
 
Eduardo Figueiredo em 29/07/2013 09:18:40
O POVO NÃO AGUENTA MAIS A ARROGÂNCIA DOS MÉDICOS, SÓ QUEREM ALTOS SALÁRIOS E STATUS!!
CONCORRÊNCIA NEM PENSAR!!
JÁ FUI MAL ATENDIDO EM POSTO DE SAÚDE E JÁ FIQUEI HORAS ESPERANDO PARA SER ATENDIDO, A VINDA DE MÉDICOS DO EXTERIOR É UMA DECISÃO CORRETA!!
 
Rúbio Ramos em 29/07/2013 09:01:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions