A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

25/10/2011 10:55

Em protesto contra o SUS, médicos realizam atendimento modelo em UPA

Francisco Júnior e Paula Vitorino

De acordo o presidente do SinMed-MS, a intenção dos profissionais é mostrar para as autoridades como deve ser realizado o atendimento correto à população caso a remuneração fosse satisfatória

Médico voluntário adere a protesto e realiza atendimento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) Coronel Antonino. (Foto: Simão Nogueira)Médico voluntário adere a protesto e realiza atendimento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) Coronel Antonino. (Foto: Simão Nogueira)

Em protesto contra a baixa remuneração paga pelo SUS (Sistema Único de Saúde), médicos de Campo Grande fazem na manhã desta terça-feira (25) um atendimento modelo na UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) do bairro Coronel Antonino.

De acordo o presidente do SinMed-MS (Sindicato dos Médicos), Marcos Leite, a intenção dos profissionais é mostrar para as autoridades como deve ser realizado o atendimento correto à população caso a remuneração paga fosse satisfatória.

Segundo ele, o protesto é realizado em 19 Estados, porém, só em Mato Grosso do Sul os médicos optaram por não paralisarem as atividades. “Sendo assim a população não é penalizada”, explica o médico sindicalista. Esta é terceira mobilização promovida pela categoria este ano.

Em dias normais, a unidade conta, por turno, com 4 clínicos gerais e 3 pediatras. Com o protesto, mais 4 médicos reforçam o atendimento no local nesta manhã. A intenção do sindicato era ampliar o quadro de médicos atendendo à população, porém a UPA não conta com salas suficientes.

A unidade é a que realizado o maior número de consultas diárias, cerca de 250.

Conforme o sindicalista, para uma UPA funcionar corretamente, o ideal seria cinco clínicos gerais e três pediatras por turno. “Seria o mínimo para uma UPA funcionar direito”, garante.

Para o sindicalista, o principal motivo para a defasagem no quadro de médicos do município é a baixa remuneração paga para os profissionais. Por conta disso, segundo ele, os profissionais optam pelo atendimento particular. “O salário de um médico do município hoje é de R$ 2,064 por 4 horas diárias. O médico acaba fazendo 40, 60 horas semanais para conseguir um salário bom. Em um consultório entre plano de saúde e consulta particular , ele consegue um salário de R$ 8 mil”, explicou.

Conforme o presidente do sindicato, tramita no congresso um projeto que determina o valor de R$ 7 mil o piso salarial do médico no atendimento feito pelo SUS.

Para a coordenadora das UPAs de Campo Grande, Gislaine Toleto, não é só o salário dos médicos que tem que melhorar, mas também a gestão do SUS e a formação dos profissionais. “Hoje saem muitos especialistas da faculdade e poucos clínicos gerais”, disse.

O pediatra Virgilio Gonçalves conta que atuou como médico pela prefeitura por 13 anos, mas devido à baixa remuneração preferiu pedir afastamento. “É um absurdo não tinha condições de atender pela prefeitura”, reclamou relatando que muito médicos preferem ir para o interior onde terão melhores salários e poderão construir carreira.

Segundo ele, ao invés de valorizar o profissional, a prioridade dos governos é ampliar as estruturas. “Hoje um médico na rede municipal tem estrutura adequada, mas não tem salário adequado, então não adianta nada”, disse.

A dona de casa Elisiane Moreira, 29 anos, aprovou a iniciativa dos médicos. Ela procurou atendimento na UPA na manhã desta terça-feira. “ O que prejudica o atendimento no UPA não é nem a má vontade do médico, mas sim a sobrecarga. Precisa e investimento e maior atenção do governo com esses médicos”, disse.

Para a massoterapeuta Maria Escrivano, 50 anos, o problema está na gestão do SUS. “ Se o SUS conseguisse gerir todo o recurso que recebe, seria o melhor plano de saúde que existe”.

O atendimento reforçado na UPA será realizado durante toda a manhã desta terça-feira.

Médicos fazem 'mutirão' na UPA do bairro Coronel Antonino em protesto contra SUS
A ação acontece em protesto à baixa remuneração do SUS é está sendo realizada em todo país.Médicos de Campo Grande estão concentrados na UPA (Unidade...
Em dia de protesto, médicos programam operação padrão em posto de saúde amanhã
Categoria vai reforçar número de profissionais na unidade do Coronel Antônino, que é 24hMédicos de todo o País prometem, para amanhã, protesto para ...
Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Agora pergunte em relação ao salário dos políticos, são diferenças absurdas, políticos ganhando rios de dinheiro, com aumentos salariais aprovados da noite para o dia, para fazerem o que por nós?! Enquanto profissionais da saúde, educação e segurança, e o próprio trabalhador não concursado, tem que fazer mágica com o salário para sobreviver.
 
Jonas Pedro Teixeira Silva em 25/10/2011 11:39:24
Pelo amor de Deus, será que ninguém vê este absurdo? Parabéns ao Srº. Jonas Pedro (comentário abaixo). Se todos os cidadãos deste país vissem a discrepância existente entre o salário de profissionais essenciais à população como médicos, policiais, etc, em comparação com a remuneração astronômica de um Senador/Députado Federal, este país certamente estaria em outra situação. Isto é inaceitável !!!
 
Euclides Vargas em 25/10/2011 04:02:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions