A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

14/01/2015 22:12

Empresa de ônibus deverá indenizar família por morte de passageiro

Daniel Machado

Os desembargadores da 5ª Câmara Cível deram parcial provimento para uma empresa de transporte urbano pagar indenização de R$ 250 mil pela morte do pai dos autores do processo, que veio a falecer quando o motorista de ônibus arrancou com o veículo antes do desembarque completo do passageiro e o atropelou.

A empresa legou que não houve nexo de causalidade entre os fatos apontados e a atividade que exerce e que era impossível que a vítima estivesse no interior do ônibus e caído ao desembarcar, uma vez que o ônibus em que a vítima estava passava a mais de três quilômetros de distância do local em que foi encontrada.

Alegou ainda que não há registro de nenhuma queda de passageiro no dia dos acontecimentos e que a vítima foi encontrada por volta de 21 horas, horário que extrapola muito o fim do expediente do horário comercial, visto que foi informado nos autos que a vítima estaria saindo do serviço. Assim, entende que não há qualquer conduta sua que tivesse causado a queda ou a morte da vítima. A agravante pede ainda que, se este não for o entendimento, requer a redução da indenização fixada em 1º Grau.

Em seu voto, o relator do processo, Des. Júlio Roberto Siqueira Cardoso, explica que, após analisar as provas, principalmente os relatos testemunhais, entendeu que a decisão deve ser mantida, pois está devidamente comprovado o nexo causal entre a morte da vítima e a conduta do funcionário da empresa. Explica que os depoimentos testemunhais foram a peça chave para o desfecho da situação, restando claro que o falecimento da vítima está diretamente ligado à sua queda no ônibus da empresa apelante.

Quanto ao valor da indenização, o desembargador expôs que, ao fixar o quantum indenizatório, devem ser consideradas as condições econômicas das partes e as peculiaridades do caso trazido à análise, de forma que não haja o enriquecimento ilícito do ofendido, mas também deve servir como um desestímulo de repetir o ato causador do dano.

No caso, o relator apontou que vários fatores devem ser levados em consideração, mas principalmente o fato de o motorista da apelada ter fugido do local do acidente, além da idade da vítima na época. Assim, consideradas as circunstâncias do caso, além das provas que constam dos autos, fixou os danos morais em R$ 150.000,00, entendendo ser este o valor justo, razoável, adequado, fixado com ponderação e moderação.

“Diante de todo o exposto, conheço do recurso de apelação, dando-lhe parcial provimento, apenas para reduzir o valor da indenização de R$ 250.000,00 para R$ 150.000,00”, concluiu o relator.

 

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions