ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 12º

Capital

Enfermeiros entram com recurso para "entender" decisão do TJMS

Alan Diógenes | 25/06/2015 17:26
Usuários esperam atendimento com braços cruzados e mãos nos bolsos. (Foto: Fernando Antunes)
Usuários esperam atendimento com braços cruzados e mãos nos bolsos. (Foto: Fernando Antunes)
Edmara não conseguiu vacinar o seu bebê de sete meses. (Foto: Fernando Antunes)
Edmara não conseguiu vacinar o seu bebê de sete meses. (Foto: Fernando Antunes)

A Comissão do Comando de Greve dos Trabalhadores Públicos em Enfermagem da Prefeitura Municipal foi notificada sobre a decisão do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) determinando a volta de 80% dos enfermeiros ao trabalho, na manhã desta quinta-feira (25). Apesar da pena de R$ 3 mil diários, por descumprimento, a categoria manteve a greve, mas entrou com um recurso pedindo esclarecimentos sobre a decisão.

Conforme o representante da comissão, Hederson Fritz, a categoria está confusa e pede maior compreensão sobre a decisão. Segundo ele, se o pedido for seguido, áreas importantes da saúde sofreram mais reduções no quadro de enfermeiros.

“Eles não foram claros quanto a que áreas que devem ter 80% dos enfermeiros trabalhando, se são nos plantões ou na rotina diária. Por exemplo, hoje 100% dos enfermeiros estão trabalhando nas unidades de urgência e emergência e no Samu (Serviço de Atendimento Móvel à Urgência), então eles querem que reduzimos o atendimento. Isso prejudicaria mais ainda a área da saúde”, explicou Fritz.

Nos postos de saúde, os usuários retornam para casa sem conseguir fazer exames simples. As filas de espera também aumentaram devido à falta de enfermeiros para administrar a triagem, ou seja, atendimento prévio realizado antes da consulta com o médico.

Na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Bairro Tiradentes, mais de 40 pessoas aguardavam na fila para passar apenas pela triagem, na tarde de hoje. “Só existe uma enfermeira para fazer o procedimento. Até concordo que fazer pressão para ter os direitos é a melhor forma encontrada pelos enfermeiros, mas quem paga é a população. A fila está enorme”, mencionou a professora Carmem Lúcia Andrade, 50 anos.

A dona de casa Edemara da Silva Ballo, 32, levou seu bebê de sete meses para tomar a segunda dose da vacina contra gripe. Saiu do posto de saúde sem conseguir atendimento.

“A gente paga nossos impostos em dia e cada ano aumentam mais. Então a prefeitura deveria resolver essa situação o quanto antes. A população inteira não pode pagar pelo erro de um ou dois”, comentou Edemara.

O trabalhador rural Evanildo Barbosa de Oliveira, 54, também foi atendido no mesmo posto. Ele até conseguiu o medicamento para a dor na coluna, mas não tinha enfermeiro para fazer a aplicação. “Só me disseram que estão em greve e que não tinha previsão de volta. Agora vou ter que pagar em uma farmácia para aplicarem”, contou.

O técnico em manutenção industrial Admir Duarte de Souza, 42, só conseguiu atendimento médico depois de três horas. “Super demorado, tudo isso porque não tinha enfermeiros para fazer a triagem. Tem muita gente desistindo e indo para casa”, finalizou.

Atendimento reduzido - 100% do efetivo das unidades de atenção básica está paralisado. Nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), na área vermelha e amarela não teve redução de enfermeiros, somente 30% do pessoal que atua na aréa azul e verde paralisou as atividades.

Nos CRSs (Centros Regionais de Saúde), 70% dos enfermeiros da área azul e verde estão parados, sendo que na área vermelha e amarela não teve alteração. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel à Urgência) não houve alteração no efetivo operacional, mas 100% do efetivo administrativo parou.

O CEM também teve todo o efetivo dos enfermeiros paralisado. Já nos CAPs (Centro de Atenção Psicossocial), Hospital da Mulher e Pai (Pronto Atendimento Integral) está com 50% do efetivo paralisado.

Admir esperou três horas para passar pela triagem. (Foto: Fernando Antunes)
Admir esperou três horas para passar pela triagem. (Foto: Fernando Antunes)
Evanildo conseguiu medicamento, mas não haviam enfermeiros para fazer a aplicação. (Foto: Fernando Antunes)
Evanildo conseguiu medicamento, mas não haviam enfermeiros para fazer a aplicação. (Foto: Fernando Antunes)
Nos siga no Google Notícias