A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

08/06/2013 12:42

Enquanto uns vendem, outros esperam anos para adquirir casa própria

Evelyn Souza
Osvalmir, Edinéia e seis, dos nove filhos. (Foto: Marcos Ermínio)Osvalmir, Edinéia e seis, dos nove filhos. (Foto: Marcos Ermínio)

A compra, venda e a falta de “sorte” em adquirir um lugar para viver, através dos programas de habitação, continuam sendo alvo de polêmicas pelos bairros da Capital.

Moradora do bairro Leon Denizart há cinco anos, Marta Gonzales viu de perto, um vizinho ser despejado. “O rapaz comprou a casa, reformou, colocou piso, forro. Não acho justo porque ele também gastou e perdeu tudo”, explica a dona de casa.

Segundo ela, o vizinho, que ela não soube dizer o nome, havia mudado para residência há cinco meses. Marta conta que na manhã da última quarta-feira (05), dois representantes da Emha (Agência Municipal de Habitação de Campo Grande) estiveram no local e despejaram o morador. “Colocaram as coisas dele em um caminhão e foram embora. Eles me viram tirando fotos, mas disseram que o dono já sabia que isso iria acontecer”, diz.

Ao mesmo tempo em que acha errado que pessoas beneficiadas pelo programa destinado a atender famílias carentes, vendam as casas, a moradora também não concorda que tirem “tudo”, daqueles que compraram.

“De uma forma ou de outra, ele gastou. Se for assim, a metade das pessoas que vivem aqui, terão que sair. São poucos os que moram porque ganharam. A pessoa arrumam, gastam dinheiro, é uma injustiça”, questiona.

Diante dos questionamentos da dona Marta Gonzales, fomos até a casinha de três peças, que no dia seguinte do despejo, já acolhia uma família. O novo dono é o aposentado Osvalmir Nantes, de 49 anos, que mora com a esposa e mais nove filhos.

Quando questionado por ter se mudado para casa, junto com a família, a resposta veio com ar de felicidade e de alívio. “Porque eu me inscrevi na Emha desde 2007 e agora fui sorteado”, respondeu o aposentado.

Osvalmir contou que já rodou Mato Grosso do Sul inteiro e já mudou mais de 15 vezes. “Eu não tinha moradia, morava na casa dos outros, eles chegavam pediam e eu tinha que sair”.

O último abrigo do aposentado, da esposa e das crianças, que têm entre oito meses e 16 anos, era um barraco de lona, que segundo a família, ficava ali pertinho mesmo, na região do bairro Noroeste.

Dona Marta diz que a maioria dos vizinhos pagou pelas casas. (Foto: Marcos Ermínio)Dona Marta diz que a maioria dos vizinhos pagou pelas casas. (Foto: Marcos Ermínio)
De casa nova, o aposentado diz que já passou muitas dificuldades.  (Foto: Marcos Ermínio)De casa nova, o aposentado diz que já passou muitas dificuldades. (Foto: Marcos Ermínio)

Hoje, todos vivem da aposentadoria no valor de salário mínimo de Osvalmir e agora também poderão contar com o dinheiro da venda de materiais recicláveis, que o aposentado começou a “catar”.

A esposa, Edinéia Camargo de 35 anos, conta que antes recebia o benefício Bolsa Família, mas que foi suspenso porque ela não tinha endereço fixo. “Mudava muito. As crianças chegaram a ficar fora da escola. Já tivemos até problema com Conselho Tutelar”, diz à mãe que agora com a casa, acredita que tudo vai melhorar.

O antigo dono, despejado na semana passada, segundo eles, é dono de um mercadinho, que fica em frente ao Presídio. “Ele veio aqui, só pediu pra que a gente deixasse ele retirar uma areia que está ali no fundo. Eu disse que tudo bem”, conta Edinéia.

Em seguida o casal mostrou os cômodos da casa nova. Pai e filho dormem no quarto e as crianças, em colchões, distribuídos na sala, que também é utilizada como cozinha. “Pra quem já morou em barraco de lona, passou fome, frio e tomou chuva, isso aqui é muito melhor. Mudou completamente, não tem vitória maior”, conclui Osvalmir.

O aposentado, apesar da felicidade, conta que ainda não recebeu nenhuma documentação que comprove que ele agora realmente é o dono da casa. Segundo ele, é preciso que o antigo proprietário procure a Emha e assine um documento de desistência.

Na despedida, uma pose para a foto com os seis filhos. Os outros não gostaram muito da ideia, não quiseram aparecer.

Antes de irmos embora do bairro, fomos até a mercearia, onde trabalha o rapaz.A mãe dele nos atendeu e informou que o filho perdeu a casa e estava muito triste com a situação.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


moro a 14 anos aqui na cidade me considero cidadão sul-mato-grossense sou inscrito na agehab desde 2003 e minha esposa na emha ate agora não fomos contemplados ;enquanto isso vamos pagando aluguel caríssimo .durante esse tempo já gastei +ou - 45.000,00 reais só com aluguel poderia esta pagando por um imóvel para abrigar minha família.
 
ivanaldo tavares em 14/08/2013 21:55:40
eu estou inscrita a anos,ai vem um amigo meu da faculdade e me diz terei q passar a minha casa pra frente pois eu ganhei uma e minha mulher ganhou um apartamento,acho isso injusto pois eu não tenho filho só que moro de aluguel trabalho e pago faculdade sera que tbm não mereço, enquanto as pessoas vão ganhando vendendo, eu fico como muitos na fila de espera, isso sim é ter cupinxas,eu espero mesmo que essas fiscalizações ocorram, concordo com esse povo que compra pois quando compram é porque realmente precisa, se essa ehma fosse realmente honesta isso não ocorreria, fiscalização já.
 
LAURA CRISTINA DE SOUZA em 09/06/2013 20:42:16
eu acho que tinha que ter mais fiscalização para isso não acontecer

 
maria gomes em 08/06/2013 19:53:46
Por isso este mes mandei este e-mail p/ Emha: atualizei novamente meu cadastro e solicitei um dossiê ref. a meu cadastro porque cheguei no guichê e todos os meu dados estavam excuídos. Falei com a Sra. Leda a respeito, a mesma ficou de verificar para mim, porque em setembro ou outubro de 2010 antes da greve bancária, me chamaram para assinar a documentação que iria para CEF, me informaram que as casas seria no São Conrado, disse que não me importava. Após isso, foram entregue 800,00 casas e nada. Em fevereiro/2011- resolvi questionar sobre minha documentação e me dissera que foram entregue 300 casas e eu estava na 320 posição, que então seria entregue no próximo lote. Passou 2011 e nada, em 2012 voltei para fazer renovação e eu cont. na fila, e ja foram entregue + 440, cadê a minha casa?
 
Estela Marques em 08/06/2013 17:43:09
e mais quem compra compra sabendo que vai perder e depois da um de coitadinho , se não houvesse quem compra não haveria tanta safadeza nas distribuição das casas , por exemplo eu morro num condomínio que saiu a menos de um ano e uns 30 apartamentos foram vendidos , fora os que estão fechados esperando venda , venham ver fica no condomínio Sebastião melo, entre a rua da divisão e o bota fogo

 
debora sandim carrilho em 08/06/2013 16:50:00
Eu mesmo sou uma que espera desde 1999 a minha casa própria e ate agora nada ,que raios de listagem é essa que nunca chega no nome de quem realmente precisa.
 
silvania em 08/06/2013 13:01:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions