A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 21 de Abril de 2019

28/03/2019 12:11

Entre comércios e residências, 8 serão investigados por fraude em energia

Operação da concessionária Energisa em parceria com a Polícia Civil visitou comércios e casas e agora responsáveis prestam depoimento na delegacia

Izabela Sanchez e Ronie Cruz
Equipes averiguam medição de energia na manhã desta quinta-feira (28) (Foto: Marina Pacheco)Equipes averiguam medição de energia na manhã desta quinta-feira (28) (Foto: Marina Pacheco)

Desvios de fiação, ligações diretas sem passar pelos medidores e medidores adulterados são algumas das formas utilizadas pelos oito locais – comércios e residências – para fraudar o consumo de energia, os chamados “gatos”. Após a operação que uniu a concessionária Energisa e a 5ª DP (Delegacia de Polícia Civil) de Campo Grande na manhã desta quinta-feira (28), oito inquéritos foram instaurados.

Entre os alvos comerciais – cinco - há açougue, motel e até Pet Shop, este último no bairro Pioneiros. Agora, os responsáveis pelos estabelecimentos e residências prestam depoimento na delegacia.

Delegado que atuou na força-tarefa, Ricardo Meireles explicou que, num primeiro momento, prisões não são o objetivo, mas não descartou que possam ocorrer. “O objetivo nesse primeiro momento não é prender, mas averiguar e investigar a fundo, mas nada impede que essas pessoas sejam presas em flagrante”, disse.

“A operação foi um sucesso, nos locais visitados foram constatados os desvios de energia, temos planilhas que mostram uma quantidade de dinheiro desviado”, comentou o delegado, que não soube estimar qual o valor do prejuízo.

População paga a conta – Em meio às discussões acaloradas pelo aumento sentido nos boletos de energia nos últimos meses, o delegado também afirma que os “gatos” tem culpa nos valores altos. Conforme explicou – cálculo que leva em conta o número de consumidores por quilometragem -, 4,5% do valor das faturas se deve às fraudes.

“Quem usa gato, que desfaçam”, alertou o delegado. As penas pelo crime podem chegar a 8 anos de prisão.

Gerente de combate de perdas da Energisa, Ercílio Diniz afirmou que, além da força-tarefa em conjunto com a polícia, 20 equipes estiveram nas ruas procurando fraudes. “É uma operação que teve 48% de efetividade nos alvos eleitos. O apoio que temos recebido da população é muito bom porque entenderam que se trata de irregularidades e que a empesa precisa fazer esse trabalho em benefício de todos”, comentou.

Força-tarefa - Antes de ir às ruas, as equipes mapearam 120 pontos, já monitorados há seis meses. Na manhã desta quinta-feira os trabalhos começaram nas imediações da Vila Piratininga. Na primeira visita, uma casa e um motel localizados na Rua General Alcoforado demonstraram alterações.

Diniz informou que, na casa, 30% da energia consumida não estava sendo registrada. No motel, as equipes confirmaram que duas das três fases estavam ligadas de forma direta. “66% da energia consumida no motel não estava sendo registrada. Quando o furto é no comércio vira concorrência desleal. Porque o cliente consegue oferecer produtos mais baratos”, disse Ercílio.

A casa de carnes divide o medidor com uma casa que fica na Avenida das Bandeiras. No local, Energisa e polícia também encontraram o medidor adulterado. Segundo a Energisa neste local, há indícios de que o cliente tenha causado prejuízo de R$ 10 mil.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions