A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

22/06/2018 09:33

Entregador que tentou matar após cobrança de R$ 20 é condenado ao semiaberto

O acusado, que encontra-se foragido, está com mandado de prisão aguardando cumprimento

Danielle Valentim
Juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete de Almeida, manteve a decisão de (re)decretação da prisão preventiva. (Foto: TJMS)Juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete de Almeida, manteve a decisão de (re)decretação da prisão preventiva. (Foto: TJMS)

O entregador Fernando Teixeira, 32, acusado de tentar matar a facadas uma pessoa que lhe cobrou R$ 20 foi condenado nesta quinta-feira (21) a 6 anos e 8 meses reclusão em regime inicial semiaberto. O julgamento ocorreu na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

O crime ocorreu na rua Gaudiley Brum, no Iracy Coelho, sul da Capital, em 6 de agosto de 2016. Na sessão, o Conselho de Sentença condenou pelo crime de tentativa de homicídio doloso privilegiado, qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima.

O acusado, que encontra-se foragido, está com mandado de prisão aguardando cumprimento.
O MPMS alegou que ele se valeu de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, aproximando-se sem que ela percebesse. Já a defesa sustentou o pedido dea absolvição ou desclassificação do delito para outro não doloso.

O juiz Carlos Alberto Garcete, porém, acatou as alegações de tentativa de homicídio por motivo torpe e uso de recurso que dificultou a defesa.

Teixeira teve a prisão preventiva decretada na terça-feira (19), uma vez que a Promotoria alegou que ele estava em local incerto e não sabido, desobedecendo medidas cautelares que lhe permitiam responder pelo crime em liberdade –Garcete considerou que ele não foi localizado para ser intimado por autos do processo, concedendo o pedido.

Decisão - Submetido a julgamento, o Conselho de Sentença reconheceu a materialidade e a autoria do delito, porém reconheceu que o delito deveria ser considerado na sua forma privilegiada, de forma que a votação do quesito do motivo torpe restou prejudicada. Por maioria, também reconheceu a presença da qualificadora do recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

O juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete de Almeida, manteve a decisão de (re)decretação da prisão preventiva do sentenciado, proferida em data recente, tendo em vista que permanecem os fundamentos para sua custódia cautelar.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions