ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Envolvido em morte de rapaz que teve corpo queimado é condenado, mas fica solto

Casal foi condenado pelo crime em setembro e Flávio da Silva Siqueira teve o julgamento remarcado

Por Ana Paula Chuva | 01/12/2023 14:13
Funerária fazendo a retirada do corpo de Ricardo do terreno onde foi encontrado (Foto: Marcos Maluf | Arquivo)
Funerária fazendo a retirada do corpo de Ricardo do terreno onde foi encontrado (Foto: Marcos Maluf | Arquivo)

Três anos após a morte de Ricardo Ventura Barbosa, o terceiro envolvido no crime, Flávio da Silva Siqueira, sentou no banco dos réus e acabou condenado a 2 anos e três meses de prisão por ocultação de cadáver. O caso aconteceu no dia 30 de julho de 2020 e o Carina Barbosa dos Santos e Rafael de Almeida Freitas foram condenados pelo assassinato em setembro deste ano.

O crime aconteceu na Rua Michel Calarge, Bairro Jardim Colibri, em Campo Grande. Ricardo foi morto a golpes de faca e depois teve o corpo queimado e enterrado, sendo encontrado no dia 10 de agosto daquele ano. A vítima fazia entrega de drogas a mando de Carina e Rafael, segundo denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

Ainda de acordo com o órgão, o casal controlava o tráfico na região e era conhecido “pela violência e crueldade com aqueles que não quitavam suas dívidas”. Já Flávio atuava como segurança na boca de fumo. Os três são integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital).

Ricardo teria recebido a missão de entregar uma quantidade de cocaína, mas sumiu com a droga e uma motocicleta que pertencia ao casal. Rafael matou a vítima com diversas facadas e Carina deu tiros no peito do rapaz assim que ele morreu. Já Flávio, segundo a investigação da DHPP (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios), foi quem ateou fogo no corpo e depois enterrou.

Em setembro deste ano, o casal passou por julgamento, na ocasião Carina foi sentenciada a 21 anos de prisão e Rafael a 22 anos, quatro meses e dez dias, ambos em regime fechado. Flávio alegou que estava sendo ameaçado pelos dois e o juiz determinou que o júri dele fosse adiado e outro defensor fosse nomeado.

Nesta sexta-feira, ele então sentou no banco dos réus e a defesa do rapaz defendeu a tese de negativa de autoria. O Conselho de Sentença decidiu absolvê-lo da acusação de homicídio qualificado, mas condenou pela ocultação de cadáver. Com isso, o magistrado fixou a pena em dois anos e três meses de prisão, mas em regime aberto.

Carina, o marido Rafael e Flávio, no começo do julgamento em setembro deste ano (Foto: Bruna Marques | Arquivo)
Carina, o marido Rafael e Flávio, no começo do julgamento em setembro deste ano (Foto: Bruna Marques | Arquivo)

Autoria - No dia em que o corpo de Ricardo foi encontrado, um homem que morava com a vítima, identificado como Luís Ricardo Ferreira dos Santos, de 35 anos, procurou a delegacia e assumiu a autoria do crime. Ele chegou a ser preso e levou os investigadores até o local em que o corpo do amigo estava enterrado. As investigações, no entanto, já apontavam para a participação dos traficantes.

Em depoimento, Luís Ricardo chegou a contar que matou o amigo após uma discussão banal, que começou depois que ele fez um comentário sobre o relacionamento de Ricardo. Mais tarde, confessou que assumiu o crime a mando dos traficantes, todos integrantes do PCC. Carina, Rafael e Flávio foram presos em outubro deste ano, por força de mandados de prisão temporária. Na data, acabaram flagrados com uma pistola, 91 gramas de cocaína, 14 gramas de maconha e R$ 4.211,15 mil em dinheiro, além de 15 munições.

Corpo de Ricardo na cova onde foi enterrado após ser queimado (Foto: Reprodução)
Corpo de Ricardo na cova onde foi enterrado após ser queimado (Foto: Reprodução)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias