ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 23º

Capital

"Escrivão não é polícia", gritam alunos em curso de investigador

Vídeo gerou críticas dos profissionais da área e repúdio do sindicato de policiais civis

Por Adriano Fernandes | 08/03/2021 23:20

Vídeo em que alunos do curso de formação para investigador da Acadepol (Academia de Polícia Civil) aparecem satirizando o trabalho dos escrivães da corporação, gerou críticas entre os profissionais da área e manifestação do sindicato da categoria, nesta segunda-feira (8), em Campo Grande.

Sob o comando de dois alunos, os outros acadêmicos em formação aparecem cantando uma canção que fala do trabalho dos colegas de profissão em tom pejorativo.

Escrivão não é polícia e só sabe digitar, se tem guerra e terror é o tira que vão chamar. Oh ‘escriva’ não adianta, você pode até tentar. Mas como um investigador você nunca vai vibrar”, cantam os alunos.

A música ainda “tira sarro” da rotina de trabalho dos escrivães. “Sua arma é o teclado, um carimbo e uma caneta, enquanto o investigador amedronta até o capeta”, diz outro trecho.

Vale ressaltar que os policiais escrivães são os profissionais responsáveis por redigirem as oitivas e fazerem outros trabalhos internos nas delegacias, enquanto os investigadores, como o próprio nome já diz, saem a campo para realizar o trabalho de investigação dos crimes. Ambos precisam ser aprovados em concursos públicos e passar por treinamento para assumirem as suas funções.

O vídeo foi compartilhado em grupos de WhatsApp e causou descontentamento entre os profissionais da área. Diante da repercussão, o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de MS) repudiou o “tom ofensivo” do vídeo e acionou a DGPC (Delegacia-Geral da Polícia Civil) e a própria academia, pedindo providências para que esse tipo de conduta não venha estimular a rivalidade entre os policiais civis.

Ainda não houve manifestação da instituição sobre o caso. “Cada profissional tem a sua função na Polícia Civil, seja o escrivão, o papiloscopista, um delegado ou o próprio investigador. Nenhum deles trabalha de forma isolada, um depende um do outro”, comentou o presidente do Sinpol, Giancarlo Miranda, que inclusive é escrivão.

Miranda ponderou que os acadêmicos não agiram de “má fé”, mas comenta que a brincadeira acabou "passando dos limites". "O que deve prevalecer entre os policiais é a parceria, o companheirismo para poder servir e proteger as pessoas”, disse à reportagem.

Em vídeo publicado no YouTube, Giancarlo também repudiou a conduta dos instrutores do curso. “Estamos aqui para estimular a união na Policial Civil, principalmente para aqueles que pretendem ingressar na nossa instituição. Repudiamos essa manifestação denegrindo a carreira dos escrivães”, disse ao lado do vice-presidente do sindicato, Pablo Pael que também é investigador da Polícia Civil.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário