ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 24º

Capital

"Estão arriscando a própria vida": Marquinhos faz alerta a motoentregadores

Por Marta Ferreira | 28/07/2020 14:18
Motoentregadores reunidos durante protesto por melhores condições de trabalho em Campo Grande. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Motoentregadores reunidos durante protesto por melhores condições de trabalho em Campo Grande. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Durante a transmissão ao vivo de todo dia sobre a covid-19, alerta específico aos entregadores sob duas rodas foi dado pelo prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), nesta terça-feira (28). Ao comentar os números de acidentes de trânsito na cidade, que não cedem nem durante a pandemia, com menos pessoas circulando, o mandatário disse que os trabalhadores responsáveis pelo chegada do serviço de delivery aos clientes estão “desafiando a própria vida”.

Depois de lembrar que estão trabalhando “por necessidade”, Marquinhos pontuou haver quem nem “pilotar sabe”. Segundo ele, também existem aqueles fazendo as entregas com veículos emprestados ou locados.

“Nada de errado”, mas pelo menos que tenha habilitação, declarou. “E em tendo, que obedeça as regras”, acrescentou. “Servem para todos”, emendou Marquinhos.

Enquanto fazia as afirmações, por algumas vezes o chefe do Executivo imitou o barulho de moto, ao citar quer essa classe de condutor é a mais vitimada por acidentes.

A categoria tem reclamado das condições de trabalho enfrentadas, inclusive com a realização de protestos recentes.

Restrições – A afirmação sobre os motoentregadores foi feita quando o prefeito falava que, a despeito das medidas de restrição de circulação em Campo Grande, o trânsito tem feito muitas vítimas, boa parte delas motociclistas.

Esse é um dos fatores relatados pela Santa Casa de Campo Grande para a lotação do hospital, que anunciou estar em colapso nesta segunda-feira (27) .

“Ou a gente se abraça, ou nós vamos passar por momentos de muitas lágrimas”, afirmou o prefeito na live, na qual confirmou que estuda a proibição de venda de álcool aos fins de semana, com limites ainda a serem estabelecidos.

Marquinhos disse que as medidas serão anunciadas até sexta-feira (31), quando vence o atual decreto em vigor, com regras para o funcionamento da cidade para conter o avanço da covid-19.