A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

30/05/2016 12:04

Família de preso morto quer explicação e polícia deve pôr 3ª delegacia no caso

Aline dos Santos
Preso estava custodiado na cela do Garras e foi encontrado morto no dia 25. (Foto: Guilherme Henri)Preso estava custodiado na cela do Garras e foi encontrado morto no dia 25. (Foto: Guilherme Henri)

Passados cinco dias que o preso Guilherme Gonçalves Barcelos, 31 anos, foi encontrado morto na cela do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a Assaltos e Sequestros), a família dele vai vir de Caracol a Campo Grande em busca de explicações e a Polícia Civil garante investigação. O homem teria se enforcado com uma calça jeans.

Contudo, a polícia alega segredo de Justiça e mantém o mistério sobre o motivo da prisão de Guilherme. A reportagem apurou que ele foi preso no inquérito sobre as mortes do policial civil Anderson Celin Gonçalves da Silva e do pistoleiro Alberto Aparecido Roberto Nogueira, o Betão. Os corpos foram encontrados carbonizados em Bela Vista no dia 21 de abril.

De acordo com o delegado Márcio Obara, titular da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios), a polícia vai investigar a morte do preso. Obara acredita que uma terceira delegacia deve ser designada para apurar o caso. Contudo, essa definição cabe à direção da Polícia Civil. Guilherme foi preso por equipe da DEH e custodiado no Garras.

“Quando localiza o corpo, o delegado é comunicado e é feito inquérito policial. Isso independe de provocação de familiares”, afirma o delegado.

A prisão de Guilherme foi determinada pela Justiça de Bela Vista. De acordo com o delegado, ele foi encontrado num hotel em Campo Grande e a ordem foi cumprida. Contudo, não confirma a relação entre o preso e o duplo homicídio. “As investigações estão sob sigilo”, salienta Obara.

A família de Guilherme deve vir amanhã a Campo Grande e pedir informações sobre a morte, pois ele estava sob tutela do Estado. Guilherme era dono de uma vidraçaria em Caracol e, segundo a família, veio à Capital de passagem e o destino final era uma fazenda, onde buscaria um caminhão.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Policia Civil para confirmar a designação de uma terceira delegacia para investigar o caso, mas o responsável pelo setor estava em reunião.

Suspeitos - O Campo Grande News apurou que na semana passada equipes do Garras e da DEH foram a Bela Vista para prender os envolvidos nas mortes do policial e Betão. A informação extraoficial é de que um homem foi preso.

Outro alvo era Oscar Ferreira Neto, que mora em Caracol. Ele teve a prisão preventiva decretada, mas até a última quinta-feira (dia 26) não tinha sido localizado. Durante a busca, quem acabou preso foi o vereador Eyde Jesus Rodrigues Leite (PSL), pai de Oscar. O motivo da prisão foi porte ilegal de arma. O vereador obteve liberdade após pagar fiança.

A suspeita é que Betão e Anderson foram a Bela Vista para receber uma dívida. Servidor da Secretaria Estadual de Fazenda, Betão era considerado um dos maiores pistoleiros de Mato Grosso do Sul.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions