ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Famílias invadem área particular onde funcionava antigo clube

Há quase dez dias, quase 300 famílias ocuparam a área de 18 hectares e já estão dividindo os lotes

Por Christiane Reis e Marcus Moura | 04/01/2017 18:00
A área está localizada próximo ao Bairro Los Angeles e tem 18 hectares. (Foto: Marcus Moura)
A área está localizada próximo ao Bairro Los Angeles e tem 18 hectares. (Foto: Marcus Moura)

Quase 300 famílias invadiram uma área de 18 hectares, localizada próxima ao Bairro Los Angeles. Elas já estão fazendo a divisão dos lotes, de forma que cada tenha 10 x 20 de área, e a intenção é que cada família construa sua casa de alvenaria. A área invadida é particular e ali funcionou de 1980 a 2005, o Samambaia Cuntry Club.

A manicure, Mirna Nogueira, 32 anos, disse que aguarda há 14 por uma casa ou terreno. “Aguardo todo esse tempo e já pedi várias vezes, pois preciso sair da situação que estou. Tenho filhos e estou morando de favor, quero garantir um futuro para eles”, disse. Ela informou que tem cadastro na EMHA (Empresa Municipal de Habitação) , mas ainda não foi contemplada.

Já o serralheiro Edson Gomes, 46 anos, está na fila por uma moradia há 18 anos. “Entra prefeito, sai prefeito e nada muda”, reclamou. A serviços gerais Soleide Ferreira, 26 anos, contou que “quem chegou primeiro pegou um lote”, disse. Segundo ela todos tem área de 10x20 e conforme as pessoas vão chegando os lotes são sorteados entre os que precisam. “Nós entramos nessa área para ocupar esse terreno que estava sem uso”.

Mirna Nogueira disse que aguarda há 14 anos ser contemplada com uma moradia ou terreno. (Foto: Marcus Moura)
Mirna Nogueira disse que aguarda há 14 anos ser contemplada com uma moradia ou terreno. (Foto: Marcus Moura)

Segundo o feirante e produtor, Audir José Jaques Ferreira, 33 anos, as famílias envolvidas moravam nos bairros próximos ao Los Angeles e, após identificar a área considerada ociosa por eles, decidiram, então ocupá-la.

A reportagem ouviu moradores da região que afirmaram serem favoráveis à ocupação, pois a área estava ociosa. Alguns, que não se identificaram, inclusive que o local chegou a ser usado para desova de corpos, desmanche de carros e esconderijo para assaltantes.

Inventário – A pensionista Nilda Loureiro, 63 anos, é viúva do proprietário, que faleceu há 17 anos. Segundo ela, os filhos dele administraram o clube até 2005, quando decidiram entrar com o processo de inventário. “A partir daí eles fecharam o local e estamos no aguardo para que haja uma definição”, disse.

Ela informou que a a invasão ocorreu há quase 10 dias. “ De repente eles surgiram, levei um grande susto. Agora já sinalizam o início da construção das casas”, disse.

Procurada, a Prefeitura de Campo Grande informou, via assessoria de imprensa, que o diretor-presidente da Emha, Eneas José de Carvalho, e equipe estão em fase de levantamento sobre o déficit habitacional do município. 

Nos siga no Google Notícias