ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Gerente de distribuidora de carne é solto após pagar fiança de 30 mil

Local transformava produto vencido em charque para venda e foi alvo de fiscalização da Decon na quarta-feira

Por Ana Paula Chuva | 09/05/2024 12:59
Equipe da Decon no local durante fiscalização na manhã de quarta-feira (Foto: Clara Farias)
Equipe da Decon no local durante fiscalização na manhã de quarta-feira (Foto: Clara Farias)

Após pagar fiança de R$ 30 mil, o gerente da distribuidora de carnes Nostro Beef foi solto nesta quinta-feira (9). O local, que fica na Rua Tordesilhas, Bairro Silvia Regina, em Campo Grande, foi alvo da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo), na quarta-feira (8), por transformar carne vencida em charque para venda. O homem de 36 anos trabalhava há 40 dias no estabelecimento e acabou sendo preso.

Em depoimento, o gerente afirmou que não tinha acesso aos “detalhes” da distribuidora por estar há pouco tempo no local. Ele ainda contou que só vendia a carne após “ordem” de outro funcionário e que o produto era repassado para o comércio da região. Segundo o profissional, ele sabia a procedência de todo o produto porque tinha acesso às notas fiscais e eles eram comprados de vários frigoríficos.

Uma funcionária contou à polícia que parte das carnes vinha do Paraguai e o restante de vários frigoríficos do Brasil. As equipes da delegacia e da Vigilância Sanitária foram até o local após denúncia anônima.

Médico veterinário e fiscal da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de MS) disse em depoimento que após apreensão foi visto que a carne estava em início de putrefação e ingerir este tipo de alimento pode causa intoxicação alimentar. Foi lavrado um auto de infração com multa de até R$ 15 mil.

Hoje o gerente do local passou por audiência de custódia e o juiz Jorge Tadashi Kuramoto arbitrou fiança de R$ 30 mil para conceder a liberdade provisória ao trabalhador. O valor foi estipulado considerando se tratar de representante de pessoa jurídica e o tamanho da empresa e da apreensão. Ele também não pode se mudar sem comunicar o novo endereço.

O valor foi pago, conforme apurou o Campo Grande News, pelo dono da distribuidora e o alvará de soltura do gerente foi expedido no final da manhã de hoje.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias