A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

04/02/2014 08:09

Gerente que desviou R$ 1,2 milhão de empresa responderá por 4 crimes

Graziela Rezende

Gerente de uma empresa que administrava propriedades rurais na Capital, Ivandro Josef Komm, 40 anos, foi indiciado pelo desvio de R$ 1,2 milhão, valor este que deveria ser depositado em contas judiciais da firma. Segundo investigações da Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), o autor atuou na empresa por dois anos e sete meses e depositava os valores em inúmeras contas bancárias.

Realizado o desvio, ele então falsificava a quitação das guias dos impostos e para os fiscalizadores aparentemente as guias estavam pagas. A desconfiança, por parte da empresa, só ocorreu quando foi descoberto um débito vultuoso no pagamento das guias de tributos.

De acordo com o delegado João Eduardo Davanço, responsável pelas investigações, um levantamento apontou que Ivandro comprou dois carros, sendo um Fiat Línea e uma Captiva, além de um apartamento e uma casa no bairro Alto Sumaré. Em nome de terceiros, o delegado diz que o autor comprou 3 mil sacas de soja, avaliadas em R$ 200 mil, nas cidades de Laguna Carapã e Ponta Porã, a 323 quilômetros da Capital.

Entre outros gastos, o gerente ainda fez várias viagens com a família, entre as cidades de Natal (RN), Florianópolis (SC), e um luxuoso cruzeiro para a Argentina e Uruguai, tudo com o dinheiro desviado da empresa, conforme o delegado.

Confissão – Ivandro afirmou à Polícia que movimentou o dinheiro em diversas contas e que recentemente inclusive abriu uma nova conta bancária para ocultar o valor desviado. O Poder Judiciário solicitou o sequestro dos bens de Ivandro e familiares, bem como da soja.

O autor responderá pelos crimes de furto qualificado pelo abuso de confiança, cuja pena de reclusão varia de 2 a 8 anos e multa, falsificação de documento público, com pena de reclusão, de 2 a 6 anos e multa, uso de documento falso, com pena reclusão, de 2 a 6 anos e multa e além do crime de lavagem de dinheiro, que prevê pena de reclusão de 3 a 10 anos e multa.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


Enquanto não mudarmos o sistema de administra, essas coisas vão continuar acontecendo, e esses bandidos continuarão numa boa.
Um dos caminho é desmembra o atual sistema.
 
Solys Martinelli em 05/02/2014 23:33:40
A pergunta que não quer calar, o dinheiro roubado será devolvido as vítimas? Porque só punir o infrator sem ressarcir as vítimas não adianta, pois o mesmo continuará no mesmo crime! Algum juiz que se julga ser e executar a função de juiz de fato(como o Odilon!) deveria no mínimo fazer a apreensão de todos os bens do mesmo para pagar as vítimas e os custos de sua prisão! Isso seria a justiça no pé da lei executada!
 
Alexandre de Souza em 04/02/2014 12:15:27
Igual a este tem aos montes em Campo Grande, que desfilam de carrão e esposa só fazendo compras;; Tudo proveniente de Corrupção e Malandragem...
 
Vinicius Pessoa em 04/02/2014 10:15:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions