ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 

Capital

Há 6 anos, festa no Lageado também foi interrompida depois de execução a tiros

Mesmo local onde Wanderson da Silva Padilha foi morto a tiros na madrugada deste sábado

Por Ana Paula Chuva | 06/08/2022 09:59
Rua Manoel Macedo Falcão no dia 9 de julho de 2016, quando Eduardo foi executado. (Foto: Arquivo)
Rua Manoel Macedo Falcão no dia 9 de julho de 2016, quando Eduardo foi executado. (Foto: Arquivo)

Na mesma rua onde Wanderson da Silva Padilha, 31 anos, foi morto neste sábado (6), há seis anos Eduardo Cavalcante Ribeiro de 24 anos, também era executado a tiros. Ambos os rapazes foram assassinatos durante festas realizadas pelos moradores do bairro, uma em agosto e a outra em julho, com o tema caipira.

O assassinato de Eduardo aconteceu na madrugada do dia 9 de julho de 2016, na época o jovem estava participando da festa julina na Rua Manoel Macedo Falcão, Bairro Parque do Lageado. Ele foi atingido nas costas e tentou fugir, mas acabou esbarrando em um pedaço de madeira e caiu.

No momento da queda, o autor dos disparos se aproximou de Eduardo e atirou várias vezes contra a cabeça do rapaz, fugindo em seguida. Eduardo morreu no local e uma mulher de 27 anos, identificada como Caroline Goes da Silva, também foi ferida, mas não teve  o estado de saúde divulgado.

Na época, os vizinhos chegaram a dizer que o assassino do Eduardo era morador conhecido no bairro e que o crime seria para vingar a morte de um outro homem que aconteceu uma semana antes na Vila Popular.

Robson chegou a mudar a cor do cabelo para fugir da polícia, mas acabou preso. (Foto: Arquivo)
Robson chegou a mudar a cor do cabelo para fugir da polícia, mas acabou preso. (Foto: Arquivo)

O autor do crime, Robson Genove Baldonado, acabou sendo preso no dia 28 de julho do mesmo ano.  Ele foi encontrado na casa da namorada na Vila São Jorge da Lagoa e confessou à polícia ter matado Eduardo, mas não disse o porque da execução.

A arma do crime, um revólver calibre 38, foi encontrado na casa da mãe de Robson, no bairro Dom Antonio. Ela estava escondida numa folhagem de bananeira.  O rapaz tinha passagens pela polícia por outros crimes, inclusive, era Evadido do presídio da Gameleira, por tráfico de drogas.

Rua Manoel Macedo Falcão na manhã deste sábado, onde Wanderson foi morto a tiros. (Foto: Kisiê Ainoã)
Rua Manoel Macedo Falcão na manhã deste sábado, onde Wanderson foi morto a tiros. (Foto: Kisiê Ainoã)

Outra morte - O local foi palco da morte de Wanderson, executado com ao menos 9 tiros na madrugada deste sábado. A cena foi quase que repetida, já que a vítima participava da festa, agora realizada em agosto, quando o atirador já chegou efetuando os disparos.

 Wanderson chegou a correr, mas foi seguido pelo atirador e ao cair no quintal de uma casa vizinha, acabou sendo atingido por mais cinco disparos e morreu ainda no local. Uma adolescente de 14 anos também ficou ferida e foi socorrida para a Santa Casa.

No local, vizinhos relataram ao Campo Grande News, que a festa era tradicional na rua e era realizada desde 2015, no entanto desde 2018 estava interrompida.

Marca de sangue encontrada no local onde Wanderson foi morto neste sábado. (Foto: Kisiê Ainoã)
Marca de sangue encontrada no local onde Wanderson foi morto neste sábado. (Foto: Kisiê Ainoã)


Nos siga no Google Notícias