ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Imagens comprovam que cadeirante não tem vez nas ruas da Capital

Foto enviada ao Campo Grande News mostra caminhão de gás estacionado em frente à rampa de acesso

Por Liniker Ribeiro e Aletheya Alves | 18/02/2021 17:36
Caminhão de gás estacionado em frente à rampa, em calçada de rua no Jardim Bela Vista (Foto: Direto das Ruas)
Caminhão de gás estacionado em frente à rampa, em calçada de rua no Jardim Bela Vista (Foto: Direto das Ruas)

Como se já não bastassem os desníveis, as calçadas quebradas e, em algumas situações, a falta de asfalto em ruas da cidade, cadeirantes convivem diariamente com o desrespeito e falta de empatia pelo próximo, na Capital. Nesta quinta-feira (18), flagrante no Jardim Bela Vista expõe esta triste realidade.

Foto enviada ao Campo Grande News mostra caminhão de gás estacionado em frente à rampa de acesso usada por cadeirantes, em trecho da Rua José Caetano. Nem mesmo o desenho no chão, indicando o uso correto da rampa, impediu o condutor de deixar o veículo no local.

Em frente a escola particular, o flagrante mostra ainda que até mesmo o piso tátil, essencial a pessoas com deficiência visual, ficou comprometido pelo caminhão.

O cadeirante Marcos Vinicius reclama de falta de empátia por parte de motoristas (Foto: Henrique Kawaminami)
O cadeirante Marcos Vinicius reclama de falta de empátia por parte de motoristas (Foto: Henrique Kawaminami)

Cenas como essa viraram rotina na vida do vendedor Marcos Vinicius Salomão, de 54 anos. “Esse tipo de coisa, de gente estacionando em frente a rampas, ou calçadas destruídas, é o que mais tem. A gente já está meio acostumado com isso”, afirma lamentando a atitude de motoristas que insistem em cometer a infração de trânsito.

Inclusive, o ato de estacionar em frente à rampas de acesso, segundo o chefe de fiscalização de trânsito da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Carlos Guarini, pode gerar multa de R$ 293 e resulta ainda na perda de 7 pontos na carteira do condutor.

Obstáculos – Além da atitude desrespeitosa de motoristas, defeitos em calçadas e objetos instalados em locais inapropriados também dificultam o “ir e vir” de cegos e cadeirantes.

Na Rua Euclides da Cunha, por exemplo, placa instalada próximo ao cruzamento com a Rua Paraíba, no Jardim dos Estados, torna a calçada perigosa para pessoas com deficiência, principalmente visual. Entenda o que acontece na região:


Quem passa pelo local reconhece que a situação é complicada. “Poste de placa que fica bem na frente da rampa torna tudo complicado para quem é deficiente visual ou cadeirante”, argumenta o empresário Ricardo Costa Gomes Filho, de 30 anos.

Ele lembra ainda, que a situação em bairros de Campo Grande os problemas são ainda maiores.

“Eu acho que aqui na região central, o problema não é tão grande, porque é meio que a identidade da cidade, então o pessoal se preocupa mais com esse tipo de coisa. Olhando assim, acho que o maior problema são as calçadas mesmo. Por exemplo, tem locais onde raízes de árvores quebram a calçada”, reforça.

Calçada em rua da Vila Palmira está tomada de entulho e móveis velhos (Foto: Henrique Kawaminami)
Calçada em rua da Vila Palmira está tomada de entulho e móveis velhos (Foto: Henrique Kawaminami)

Fotos tiradas na Rua Miranda, na Vila Palmira, ilustram bem os problemas encontrados em regiões afastados do Centro. Em uma mesma quadra, mato, plantas, entulhos e móveis abandonados tomam conta de toda a calçada.

Cadeirante, que prefere não se identificar, expressa que todas essas situações tornam a rotina muito difícil. “Quando vamos pegar ônibus, é muito complicado. Tem vezes que a gente não consegue nem esperar na calçada, porque não tem como subir mesmo, então temos que esperar no asfalto. Mas também, o que você espera? O país normaliza esse tipo de coisa e as pessoas não estão nem aí”, afirma.

Muitas vezes, "ir e vir" parece deixar de ser direito para cadeirantes (Foto: Henrique Kawaminami)
Muitas vezes, "ir e vir" parece deixar de ser direito para cadeirantes (Foto: Henrique Kawaminami)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário