A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

30/05/2014 14:31

Indígenas se reúnem em manifesto para lembrar morte de terena em Sidrolândia

Filipe Prado e Marcos Ermínio
Familiares, amigos e entidades farão uma passeata pela Avenida Afonso Pena (Foto: Marcos Ermínio)Familiares, amigos e entidades farão uma passeata pela Avenida Afonso Pena (Foto: Marcos Ermínio)

Cerca de 100 indígenas começaram a se reunir na Praça do Rádio, em Campo Grande, para as manifestações que marcam um ano da morte do terena Oziel Gabriel, 35 anos. Além de parentes e indígenas da vítima, 15 entidades compareceram à praça para se unir ao protesto.

Os indígenas chegaram em dois ônibus, por volta das 13h30 de hoje (30) e farão uma pausa para o almoço e para “planejar algumas estratégias”, conforme o irmão de Oziel, Otoniel Terena, 32. Ele relatou que o objetivo da manifestação é “clamar por justiça, por que ainda não chegaram ao assassino que tirou vida do meu irmão”, comentou.

Os manifestantes farão uma passeata pela Avenida Afonso Pena, até a Praça Ary Coelho, depois irão até o MPE (Ministério Público Estadual) e a Superintendência da PF (Polícia Federal). “Nós queremos sair daqui com algo concreto, que algo apareça, que alguém seja responsabilizado”, afirmou Otoniel.

As entidades Coletivo Terra Vermelha, CUT (Central Única dos Trabalhadores), CIMI (Conselho Indigenista Missionário), Artistas da Terra, Associação dos docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação), segundo Otoniel, também participarão do manifesto.

A passeata começará por volta das 14h30.

Confronto e morte – Oziel foi baleado no dia 30 de maio do ano passado durante desocupação feita pela Polícia Federal. Os agentes cumpriam ação de reintegração de posse, expedida pela Justiça depois que a ocupação completou 15 dias.

O indígena foi socorrido até o hospital de Sidrolândia, mas morreu minutos depois de dar entrada na unidade. Inquérito da Polícia Federal que apurou a morte do índio teve 2,1 mil páginas, foi encerrado no fim do ano passado e não apontou culpados. Tudo porque a bala que matou Oziel nunca foi encontrada



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions