A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

10/06/2013 11:35

Internos do presídio federal vão fazer curso técnico 100% à distância

Aline dos Santos
Sistema federal abriga os presos mais perigosos do Brasil. (Foto: Minamar Júnior/Arquivo)Sistema federal abriga os presos mais perigosos do Brasil. (Foto: Minamar Júnior/Arquivo)

O ano escolar vai começar no segundo semestre no presídio federal de Campo Grande. Com 40 vagas, serão abertas as aulas do curso técnico em administração. A grade curricular foi planejada para atender as rígidas normas do local, que vão além de não colar na prova. O sistema federal abriga os presos mais perigosos do país.

De acordo com a coordenadora de Educação à Distância do IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), Edilene Oliveira, o curso, que faz parte de um projeto piloto, foi criado especialmente para os internos. A parceria é com o Depen (Departamento Penitenciário Federal).

O modelo será bem tradicional, não comportando nenhuma tecnologia, como acesso a computador ou aulas transmitidas via satélite. “No presídio, não tem sinal. Vamos enviar material didático e as atividades. Será 100% à distância”, afirma a coordenadora. Desta forma, as lições serão cumpridas e enviadas para correção.

Ao término de cada uma das 24 disciplinas, será aplicada prova. Nesta etapa, mais restrições. Os exames serão enviados ao presídio e aplicados pela equipe do local, sem a presença dos professores. Na sala,  no dia da prova, no máximo quatro alunos. “Dentre as disciplinas, têm ética, administração, marketing, língua estrangeira”, cita Edilene Oliveira. A escolha por técnico administrativo foi porque não exige período de estágio.

Com carga-horária de 1.020 horas, o curso terá duração de dois anos. Ao término, os alunos vão receber certificados. Durante a estadia em Campo Grande, o traficante Luiz Fernando Costa, o Fernandinho Beira-Mar, tentou cursar gestão financeira. Contudo, a Justiça proibiu o acesso à internet.

Desde o ano passado, os presos da penitenciária federal têm direito a reduzir a pena pela leitura. A cada livro lido, são quatro dias de remição. Em Campo Grande, a biblioteca do presídio federal tem 3 mil livros e dois mil. São vetados textos que incitem a violência ou que forneça, por exemplo, orientações sobre táticas de guerrilha. São permitidos livros religiosos, bíblicos, romances e ficção.

Hoje, cumprem pena na Capital presos como o traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem, e João Arcanjo Ribeiro, apontado como um dos chefes do crime organizado em Mato Grosso.

 



Sinceramente, eu não entendo meu pais :/
 
Thiago Marques em 11/06/2013 11:34:44
Bom Dia!!
Tem tanta gente que rala o dia inteiro para ganhar os míseros 685,00, e não tem dinheiro para fazer um curso simples que seja, o bandido que mata, furta e faz muito mais coisas, tem todo direito isso e uma palhaçada, deveríamos organizar uma campanha para colocar o fim na regalia desses marginais, pois enquanto você paga todos os impostos que o governo impõe que pague os marginais ficam la vivendo as nossas custas, acredito que nossos governantes tem que reavaliar essas regalias aos presos, já que querem estudar então pague para ter o beneficio, faz igual o estados unidos, acorrentem eles uns aos outros e vão fazer serviços, para pagar o beneficio que querem, ex varrer ruas, apagar pichações etc... e para crimes mais odiosos pena de morte já.
 
adriano Gonçalves em 11/06/2013 09:03:23
O resultado disso é a qualidade de político que fazem leis no Brasil; o nosso País é bom demais, nós é que não sabemos e nem queremos votar com qualidade. Olha para o tipo de Senador e Deputado que estão fazendo leis para você Empresário, Doutor, pagador de impostos cumprir. Vamos ler mais, observar mais e se não tem qualidade, não vota.
 
luiz alves em 11/06/2013 07:39:00
e nossas crianças das escolas publicas o que ganham do governo !!!!!!!!!!!!!!! acorda brasil !!!!!!!!!!!!!!ate quando isso?
 
césar da silva brites em 11/06/2013 07:16:03
Agora pessoas carentes que gostariam de estudar vão mais uma vez esperar na fila, pois os bandidos estão em primeiro lugar. Obrigado Direitos Humanos por levar várias vidas e transformá-las em educação. Santa hipocrisia.
 
Guilherme Mello em 10/06/2013 19:40:20
Enquanto pessoas de bem não tem acesso ao estudo, marginais são beneficiados com mais uma regalia. No Brasil o crime compensa, e muito!
 
nilza caruso em 10/06/2013 19:24:35
Hj em dia é chic ser bandido, com tanto jovem sem vagas em BOAS escolas e eles na mordomia.
 
paulo lessa em 10/06/2013 18:22:02
Agora eles terão aulas de ataques á internet, terrorismo islâmico, sequestro de autoridades, genocídios e atentados... Deveriam jogar uma bomba de napalm lá em cima isso sim... reduzir custos para os cofres públicos, não incluir gastos para haver superfaturamentos...
 
Dário Silva em 10/06/2013 16:32:49
Até parece que esses marginais estão interessados em estudo! Se quisessem algo de bom da vida teriam estudado ANTES de virarem bandido. Essas vagas deveriam ser destinadas à pessoas de bem; para bandido é picareta e pedra.
 
João Dias em 10/06/2013 16:03:44
Tinha sim era que colocar esse povo do presidio para quebrar pedra.
 
Eduardo Semir em 10/06/2013 14:28:49
Até paresse que esses caras precisam estudar, já sabem de tudo o que precisam, são mestres na malandragem, até subornam ju......e outros caras da lei.
 
jose carlos em 10/06/2013 14:16:39
Que maravilha eles vão estudar, só nesse Brasil mesmo!
 
Jorge Arantes Nascimento em 10/06/2013 13:41:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions