A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

10/05/2011 17:59

Investigadores confirmam que ex-esposa de PM foi morta com 2 tiros

Nadyenka Castro

Versão de acusado é que ele não sabia que era Luciana

Paulo Cesar Lucas, de camiseta listrada, acompanhou audiência. Ele está preso. (Foto: João Garrigó)Paulo Cesar Lucas, de camiseta listrada, acompanhou audiência. Ele está preso. (Foto: João Garrigó)

Dois investigadores de Polícia Civil foram ouvidos nesta terça-feira pela Justiça e confirmaram que a agente de saúde Luciana Chaves Farias, de 35 anos, morta na madrugada de 30 de janeiro deste ano, foi atingida por dois tiros.

Um deles acompanhou o exame necroscópico no corpo sendo verificado os dois ferimentos. O réu confesso, o ex-marido de Luciana, o policial militar Paulo Cesar Lucas, declarou à Polícia Civil que atirou na ex-esposa porque se assustou.

O advogado dele, Rubens Barbirato, explica que Paulo dormia quando Luciana “abriu de uma vez a porta e ele [Paulo] se assustou”. Imaginando que poderia ser algum ladrão, ele pegou a arma que estava “no banco ao lado onde ele estava deitado na rede” e atirou.

O advogado diz que Luciana abriu bruscamente a porta da quitinete onde Paulo estava morando. Segundo ele, a porta é de madeira e velha e quando a mulher abriu o barulho foi alto e Paulo pensou que tivesse alguém arrombando. “O trinco está quebrado até hoje”.

Outras duas testemunhas de acusação também seriam ouvidas nesta terça-feira, entre elas um policial. No entanto, eles não foram e o MPE (Ministério Público Estadual) desistiu das oitivas.

Nesta quarta-feira duas testemunhas de defesa serão ouvidas em Ponta Porã. De acordo com Rubens Barbirato, são policiais que já trabalharam com Paulo. Outra testemunha de defesa, um ex-policial que já atuou com o acusado, prestará depoimento por carta precatória, em São Paulo.

A audiência de defesa em Campo Grande está marcada para o próximo dia 24, às 15 horas. O advogado disse ainda que o cliente dele tem vários elogios recebidos ao longo da carreira como policial militar e uma pessoa de boa índole.

Paulo e Luciana viveram juntos por 16 anos e na data do crime estavam separados havia duas semanas. Familiares declararam em juízo que ambos costumavam ingerir bebidas alcoólicas constantemente e a relação era marcada por ciúmes.

E o ciúmes é uma das hipóteses levantadas sobre o motivo que teria levado Luciana a ir em plena madrugada ao local onde o ex-marido estava. Para ajudar a esclarecer os fatos, o juiz Aluízio Pereira dos Santos, presidente da ação penal, determinou a quebra de sigilo telefônico da vítima e do autor, o qual ainda não foi ouvido em juízo.

Brinquedos feitos por detentos são doados para crianças em escola
Parceria feita entre a a Semed (Secretaria Municipal de Educação) e a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) garantiu ne...
Falta de pagamento faz prefeitura suspender hemogramas na rede pública
A falta de pagamento para um fornecedor de insumos fez com que a prefeitura de Campo Grande suspendesse a partir desta quarta-feira (13) a realização...


É IMPRESSÃO MINHA OU ESSE ASSASSINO ESTAVA SEM AS ALGEMAS NA FOTO? ELE É DIFERENTE DE OUTROS ASSASSINOS?
 
rodrigo duarte em 10/05/2011 10:03:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions