A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

24/09/2014 17:04

Júri inocenta mulher acusada de matar marido para ficar com os bens

Edivaldo Bitencourt
Aparecida durante depoimento no júri na manhã de hoje (Foto: Marcelo Calazans)Aparecida durante depoimento no júri na manhã de hoje (Foto: Marcelo Calazans)

Por insuficiência de provas, o júri popular absolveu, no início da tarde de hoje, Aparecida Fernandes de Souza Sone, 44 anos. Ela era acusada de tramar o morte do marido, Fláusio Laudemiro Furtado, ocorrida às 21h30 de 5 de abril do ano passado no Bairro Monte Castelo, em Campo Grande.

Thionatan Anderson Custódio da Silva, acusado de matar o padrasto junto com um adolescente em uma armação com a mãe, Aparecida, ainda vai a julgamento na 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

Em depoimento na manhã de hoje, a mulher negou participação no crime e afirmou que o marido foi morto durante um assalto.

A Polícia Civil e o Ministério Público Estadual concluíram que Aparecida e o filho, Thionatan, tinha armado uma emboscada para matar Fláusio e ficar com a herança, que incluía uma casa no Bairro Coophavila 2.

“Eu estava no carro, quando abaixei para pegar os óculos dentro da minha bolsa, pois não enxergo nada. Vi que o carro parou e notei que apenas que uma moto se aproximou, em seguida, ouvi os tiros”, contou a mulher. “Achei que fosse um assalto e pedi socorro”, relatou.

Ela convenceu os juros e o promotor no caso, Humberto Lapa Ferri, que pediu a sua absolvição por insuficiência de provas. O mesmo pedido foi feito pelo defensor público Ronald Calixto Nunes, que desqualificou a denúncia.

Por maioria, o júri também absolveu Aparecida, segundo sentença do juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri.

No entanto, o filho dela, que foi acusado de ter matado o padrasto a tiros junto com um adolescente, ainda vai a julgamento.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions