A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 25 de Abril de 2019

11/03/2019 15:24

Justiça afasta feminicídio e condena assassina de namorada a 6 anos

O crime ocorreu em abril de 2015 no Jardim Centro Oeste em Campo Grande

Guilherme Henri
Scarlet Maciel da Silva não compareceu ao julgamento (Foto: Acervo Pessoal/ Arquivo)Scarlet Maciel da Silva não compareceu ao julgamento (Foto: Acervo Pessoal/ Arquivo)

Scarlet Maciel da Silva, 27 anos, foi condenada nesta segunda-feira (11) a 6 anos de prisão em regime semiaberto por matar a namorada Laura Regina de Souza Ortiz a facadas. O crime ocorreu em abril de 2015, no Jardim Centro Oeste em Campo Grande.

Inicialmente Scarlet respondia por feminicídio, contudo, os jurados afastaram a qualificadora, ao considerar que o crime não se enquadrava por ter sido cometido por uma mulher.

A situação chegou a gerar debate entre Ministério Público, que sustentava a qualificadora entendendo que se tratava de violência contra a mulher. Já a defesa pedia o afastamento de feminicío alegando legítima defesa.

A ré não está presente hoje, no julgamento na 1ª Vara do Tribunal do Juri. Segundo o defensor público Gustavo Henrique Pinheiro Silva, Scarlet está em Vitória (ES) e foi notificada do julgamento hoje, porém, não compareceu e apenas enviou relato do que teria ocorrido na data do crime.

Conforme consta na denúncia, Scarlet e Laura moravam juntas em uma quitinete no bairro Guanandi e tinham relacionamento conturbado por ciúmes. Antes do crime, foram juntas a um bar e discutiram, depois que um homem fez brincadeira com uma delas. Laura teria jogado copo de cerveja nele, elas discutiram e foram embora.

Em casa, a discussão continuou e passou para agressão. Scarlet atingiu a vítima com golpe de capacete na cabeça e, depois, a esfaqueou na barriga, queixo e pescoço. Laura cambelou de volta para casa e caiu no sofá, onde foi encontrada morta. Na fuga, Scarlet levou o celular da vítima, usado para chamar o mototáxi.



Eu acho essa lei de feminicídio uma idiotice . Gente é gente, independente se é homem ou mulher. Basta aumentar a pena de homicídio e pronto e manter os(as) meliantes na cadeia , em vez de ficar criando leizinha pra criar mais burocracia ainda e enriquecer advogados. E agora, se uma mulher matar sua companheira por crime passional, não conta como feminicídio ? Uma interpretação ridícula de uma lei mais ridícula ainda. Coisa de deputados e senadores que não fazem nada durante sua legislação e inventam leis só para mostrar algum serviço.
 
Cesar em 11/03/2019 16:57:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions