A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

29/09/2015 20:35

Justiça determina que advogado se apresente para cumprir pena em regime aberto

Flávio Paes

A justiça estadual determinou a intimação do advogado Ismael Medeiros a se apresentar no prazo de 48 horas ao Diretor da Casa do Albergado de Campo Grande para dar início ao cumprimento da pena, sob pena de suspensão do regime mais brando. O advogado foi condenado à pena de três anos de reclusão em regime aberto pelo crime de corrupção, juntamente com o o desembargador federal Paulo Thetônio da Costa, que é Mato Grosso do Sul..

O desembargador foi acusado de manipular a distribuição de um recurso interposto por banco, aceitando dinheiro para beneficiar a instituição bancária. O esquema contou com a ajuda do advogado. O desembargador foi afastado do cargo em 2003. O caso foi julgado em 2008 pelo STF que determinou, além da condenação de 3 anos de reclusão para ambos envolvidos, a perda do cargo de desembargador. O despacho desta terça-feira (29) determina ainda que o Diretor do Estabelecimento Penal informe, em cinco dias, sobre o efetivo ingresso do advogado no presídio.

Em outubro de 2008, a corte Especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça) condenou por corrupção passiva o desembargador a perda do cargo e a a três anos de reclusão em regime aberto. Theotônio. quando saiu a sentença, já estava afastado de suas funções desde 2003, por decisão do STJ. Também foi condenado no mesmo processo o advogado Ismael Medeiros. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, na década de 1990 Theotônio Costa conseguiu distribuir para si, fraudulentamente, um agravo de instrumento (recurso) interposto pelo banco Bamerindus no TRF3.

O objetivo da instituição financeira era receber R$ 150 milhões do Banco Econômico, que à época se encontrava em processo de liquidação. Com o auxílio do desembargador, que segurou o agravo sem decidi-lo, permaneceu válida decisão anterior que havia beneficiado o Bamerindus.

Ainda de acordo com denúncia, o desconhecido advogado Ismael Medeiros teria sido contratado pelo banco Bamerindus apenas para assinar a petição inicial, mesmo tendo o banco um departamento jurídico próprio. Por esse trabalho, Medeiros recebeu honorários no valor de R$ 1,5 milhão, em dinheiro. Em seguida ele emprestou R$ 686 mil ao irmão do desembargador Theotônio Costa, seu amigo de infância.

O empréstimo foi destinado às empresas Thema e Kroon, das quais o desembargador era sócio majoritário, para construção do empreendimento habitacional Morada dos Pássaros, em Campo Grande . Ismael Medeiros informou que o empréstimo foi pago assim que as unidades habitacionais foram vendidas. Mas como toda negociação se deu com dinheiro em espécie, não há qualquer comprovação.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions