ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Justiça Federal alega incompetência para analisar prisão de policiais em MS

Investigadores foram presos em depósito de Campo Grande sob suspeita de desviar carga de cigarros

Dayene Paz | 07/07/2023 10:19
Barracão onde contrabandista viu carros apreendidos e chamou a polícia. (Foto: Reprodução/Google)  
Barracão onde contrabandista viu carros apreendidos e chamou a polícia. (Foto: Reprodução/Google)

 A Justiça Federal de Mato Grosso do Sul alegou incompetência para analisar a prisão dos investigadores de Polícia Civil, Ciro Dantas e Rodrigo Nunes Roque. Eles são suspeitos de desviar carga de cigarros contrabandeados do Paraguai, apreendida em Vista Alegre, distrito de Maracaju, cidade a 160 km da Capital. A apreensão da carga ocorreu no dia 29 do mês passado, na MS-462.

Por conta de envolver contrabando, a prisão deles foi encaminhada para análise da Justiça Federal. Contudo, o juiz Bruno Cezar da Cunha não entendeu nos autos que houve contrabando, e sim desvio de carga, o que compreende o crime de peculato e não se estende à esfera federal.

"O crime correlato à violação de dever funcional operada no desvio de carga contrabandeada por policiais do Estado de Mato Grosso do Sul não é da competência da Justiça Federal, porque o desvio de conduta em tese concernente ao tipo de peculato 1 não afeta bens, serviços ou interesses da União Federal (art. 109, IV da CRFB), mas os da administração pública do Estado do Mato Grosso do Sul", explica.

A prisão ocorreu na noite de terça-feira (4) e, até que o caso seja remetido ao foro estadual - o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) -, os investigadores continuam atrás das grades. Após, a prisão será analisada.

Carga de cigarro apreendida em barracão (Foto: Direto das Ruas)
Carga de cigarro apreendida em barracão (Foto: Direto das Ruas)

Entenda - O próprio contrabandista que teve os cigarros apreendidos, Alexandre Leite, 32, foi quem acionou a Polícia Militar ao ver os carros Astras entrando em um barracão, no Bairro Universitário, em Campo Grande. A PM foi até o local e quando estava chegando, foi abordada por Alexandre, que se identificou como contrabandista e dono da carga.

Ele afirmou que em 29 de junho teve os veículos apreendidos pela Decat (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista) e nenhum documento foi entregue a ele. Alexandre confessou que um de seus funcionários fugiu ao ver a barreira na rodovia, porém, um segundo motorista foi preso e posteriormente liberado.

Então, dias depois da apreensão, nesta terça (4), quando estava passando por uma rua da Capital, Alexandre viu seus carros em um local fechado. Então, decidiu chamar a PM.

Flagra - Enquanto os policiais ouviam o contrabandista, saiu do barracão um carro Fiat Punto. No banco do carona, estava o investigador Rodrigo Nunes. Para esclarecer a situação, todos os envolvidos foram levados para a frente do barracão, onde também estavam o investigador Ciro e outro rapaz, identificado como Willian Cícero.

Para a segurança, os militares pediram as armas dos investigadores, que foram entregues. A PM percebeu que os dois veículos do contrabandista Alexandre estavam estacionados no local, lotados de cigarros.

Versão - Willian disse que estava no local porque foi chamado por Ciro para "negociarem algo". Questionados, os policiais apresentaram a mesma versão dos fatos. Afirmaram que os automóveis foram abandonados por contrabandistas ao verem a fiscalização na MS-462. Então, policiais da Decat levaram os carros até a base da Polícia Militar Rodoviária, onde ficaram até esta manhã, porque "nenhum policial aceitou receber a apreensão".

Então, os próprios investigadores decidiram ir até Vista Alegre - situação de conhecimento do delegado titular da Decat, Maércio Alves - onde pegaram os veículos com cigarros e levaram até o barracão em Campo Grande. Inclusive, outro policial foi na frente com sinais luminosos ligados.

Na versão, dizem que não havia espaço na Decat e decidiram deixar naquele barracão particular, de propriedade da esposa de Ciro, até a destinação correta. No local, fizeram o que foi determinado pelo delegado Maércio: efetuar a contagem dos cigarros, registrar boletim de ocorrência e, em seguida, que os veículos e cigarros fossem entregues a Receita Federal.

Antes da prisão, a metade do cigarro apreendida já havia sido contabilizada, com registro da quantidade em um papel que estava sobre a mesa do depósito. Sobre Willian, Ciro afirmou que chamou ele no local para a fabricação e reforma de móveis e cadeiras. Inclusive, disse que o espaço é uma fábrica de cadeiras, pertencente a sua esposa.

Foram apreendidos 960 maços nos carros e mil maços no cômodo do depósito.

Retorno - Em nota, a Corregedoria da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul afirmou que autuou em flagrante os dois policiais civis por prática de crime de peculato e contrabando.

"Os servidores foram abordados por policiais militares após denúncia de que um contrabandista havia sido abordado, na semana passada, pelos policiais que retiveram irregularmente a mercadoria e na data de ontem teriam trazido para Campo Grande e estavam descarregando em um galpão, que segundo informação pertencia a um dos policiais. A ocorrência foi apresentada na unidade policial e as providências estão sendo devidamente adotadas pela Corregedoria Geral da Polícia Civil. A Policial Civil não coaduna com condutas que destoem de sua missão de servir e proteger a sociedade e reafirma o compromisso de apurar cabalmente os fatos."

Nos siga no Google Notícias