ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  26    CAMPO GRANDE 33º

Capital

Justiça vai tentar conciliação antes de decidir sobre lockdown na Capital

Será mais um passo depois da ação da Defensoria Pública que pede o fechamento total de atividades não essenciais durante 14 dias

Por Gabriel Neris | 05/08/2020 16:31
Movimentação de pessoas na 14 de Julho, Centro de Campo Grande (Foto: Kísie Ainoã)
Movimentação de pessoas na 14 de Julho, Centro de Campo Grande (Foto: Kísie Ainoã)

O juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, convocou para próxima sexta-feira (7) uma audiência de conciliação antes de decidir se haverá lockdown em Campo Grande, medida extrema para frear a contaminação por covid-19.

Para a reunião, foram convocados representantes da prefeitura, da Defensoria Pública, além de Ministério Público Estadual e da Junta Comercial de Campo Grande.

A audiência é resultado da ação civil pública ajuizada pela Defensoria Pública solicitando o fechamento total dos estabelecimentos para conter a doença, e consequentemente diminuir a taxa de ocupação de leitos nos hospitais públicos e privados.

A convocação para tentativa de acordo entre as partes foi feita para o mesmo dia em que encerra o prazo de 72 horas, dado ontem pela Justiça para que a prefeitura apresentasse os argumentos contra o lockdown.

Fecha ou libera? - No pedido apresentado na terça-feira, a Defensoria lembra que “de 15 de junho a 15 de julho a curva do contágio acentuou-se mais ainda. Nesse período de 30 dias o crescimento de contaminação foi avassalador. Passou-se de 724 pessoas infectadas para alarmantes 5.181 casos confirmados. Esse aumento de 715% demonstra haver erro na condução do enfrentamento à doença”, justifica no texto.

Em resposta, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) disse que números atuais indicam que a Capital deve passar pela pandemia sem colapso na rede de saúde. Ele garante que ainda há vagas para internação em UTIs e que desde sexta-feira a cidade já vive em outra situação, com curva achatada de mortes.

Entidades empresariais também se manifestaram contra um possível fechamento do comércio, alegando que a maior falha é no comportamento das pessoas e que as lojas têm cumprindo as regras de biossegurança.

Apesar da Secretaria de Estado de Saúde demonstrar dia a dia maior preocupação com Campo Grande e da cidade ter recebido "bandeira preta" de programa criado para medir o grau de risco de efeitos da doença, hoje o governo saiu em defesa da Capital.

Durante a transmissão dos números do boletim da covid-19 desta quarta-feira, o secretário estadual de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, pediu bom senso e condenou a judicialização pedindo o lockdown por 14 dias.

Regras de comentário