A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

22/01/2016 15:49

Laboratório espera preço de vacina até março e que ela chegue ao SUS

Ricardo Campos Jr.
Frascos contendo a vacina da Sanofi contra a dengue (Foto: divulgação / Sanofi)Frascos contendo a vacina da Sanofi contra a dengue (Foto: divulgação / Sanofi)

A Sanofi Pasteur espera que a Câmara de Regulação de Mercado de Medicamentos divulgue até março o preço da vacina contra a dengue fabricada pela empresa. O produto foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) depois de ser testado em Mato Grosso do Sul e outros quatro estados. A intenção do laboratório é que a substância futuramente seja disponibilizada pelo SUS, o que depende da avaliação do Governo Federal.

Sheila Honsani, diretora-médica da filial brasileira da companhia, explica que ainda não há definição a respeito da inclusão da substância no calendário de imunização.

“O objetivo da Sanofi é que todos tenham acesso a essa vacina e que ela consiga controlar a doença. Ela reduz os casos graves em 93%. Nós praticamente não veríamos ninguém morrendo mais de febre hemorrágica da dengue”, afirma.

Sheila diz que o produto foi criado para os países onde a dengue é endêmica, ou seja, onde ela acontece com muita frequência. Por isso, o laboratório entrou com pedido de autorização em outras localidades, como Indonésia, Vietnã, Malásia, Colômbia e Peru.

Além do Brasil, o procedimento burocrático está mais avançado no México e nas Filipinas, que também aprovaram recentemente o produto e aguardam definição de valores.

Eficácia de 66% da vacina, questionada por alguns médicos, está dentro dos conformes, segundo a diretora-médica. “É uma eficácia elevada. A Organização Mundial de Saúde estipulou uma meta de reduzir a mortalidade pela doença em 50% até 2020. Essa vacina tem uma expectativa de reduzir mais do que a OMS pediu”, explica.

Além disso, segundo ela, outras imunizações já oferecidas pelo SUS têm índices semelhantes, como por exemplo a que protege contra a gripe. Sheila reconhece que existem outras substâncias para outras doenças com potencial mais elevado, mas em vários casos elas são direcionadas a apenas um vírus, enquanto a vacina contra a dengue funciona contra os quatro tipos do micro-organismo.

“Esse produto tem uma excelente segurança. Os efeitos colaterais foram parecidos com o do placebo. É a única ferramenta que temos hoje além do controle do vetor. Consideramos importante também que a vacina não é a solução para resolver o problema da dengue, é uma ferramenta. As pessoas têm que continuar cuidando de casas, até porque o mosquito transmite outras duas doenças. Cada um tem que fazer com sua parte”, pontua.

Pesquisa – O Instituto Butantã está desenvolvendo uma vacina brasileira contra a dengue. O produto deve começar a ser testado fora de São Paulo neste ano, Mato Grosso do Sul é um desses estados.

A intenção do laboratório nacional também é criar uma imunização que seja oferecida pelo SUS e que seja, portanto, de baixo custo.

Instituto Butantan espera ter vacina contra zika vírus em até 5 anos
O ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou nesta sexta-feira (15) que sua pasta vai dar apoio para que o Instituto Butantan desenvolva uma vacina ...
Vacina contra zika vírus ainda deve demorar dois anos,admite ministro
O ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse hoje (11) que a grande aposta contra o vírus Zika é o desenvolvimento de uma vacina. No entanto, reconhece...
UFMS vai coordenar escolha de voluntários para testar nova vacina contra dengue
 Uma equipe da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul vai coordenar o processo de escolha de voluntários para testar a vacina contra dengue que e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions