ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Mãe de eletricista assassinado em frente a boate de Portugal pede Justiça

Por Elverson Cardozo | 01/02/2012 22:28
Hemerson Pereira chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. (Foto: Reprodução/Facebook)
Hemerson Pereira chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. (Foto: Reprodução/Facebook)

A mãe do campo-grandense Hemerson Pereira Fortkamp, de 30 anos, que foi espancando até a morte na saída de uma boate em Portugal, pediu justiça e disse que o filho teve o rosto completamente desfigurado devido às agressões.

“Eu gostaria que houvesse justiça. Essas pessoas não podem ficar impunes”, disse Antonia Pereira, que há 8 anos está em Lisboa.

Em entrevista à rede de rádio e televisão portuguesa RPT, O primo da vítima, André Pereira Fresneda, também falou sobre o caso e confirmou que a confusão começou ainda dentro da casa noturna.

“Eu escutei meu primo e mais um rapaz discutindo e eu escutei esse rapaz falando que ‘o que você esta falando aí o brasileiro?’, contou o jovem.

Ao perceber a confusão, André Pereira saiu em defesa do primo. As agressões, contou, começaram assim que deixaram a boate Kapital. Um grupo já os esperava em frente ao estabelecimento.

Os brasileiros entraram em luta corporal e durante o tumulto, Hemerson caiu. “Aí chegou duas raparigas, uma com uma garrafa na mão e a outra com uma pedra dentro de uma meia calça e agrediram”, relatou o primo, que conseguiu fugir e só soube do assassinato no início da manhã.

O eletricista, que já morou na Vila Jacy, em Campo Grande, foi agredido na cabeça. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo informações de familiares, ainda dentro da boate, Hemerson havia sido acusado de ter assediado uma mulher que se identificou como funcionária da casa, mas a versão foi negada pelo primo da vítima e pela própria administração da boate Kapital.

Seguranças do local afirmam que não perceberam qualquer movimentação anormal dentro do espaço.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário