ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Mãe de vítima de homicídio já está no plenário para participar de julgamento

A advogada Cristiane de Almeida Coutinho participa como assistente de acusação no processo

Silvia Frias e Aline dos Santos | 17/07/2023 08:13

Acompanhe ao vivo o júri popular de Jamilzinho Name.

Advogada Cristiane de Almeida Coutinho (óculos, loira) está no plenário como assistente de acusação. (Foto: Henrique Kawaminami)
Advogada Cristiane de Almeida Coutinho (óculos, loira) está no plenário como assistente de acusação. (Foto: Henrique Kawaminami)

Poucos minutos antes do início do julgamento dos três acusados pela morte do estudante Matheus Coutinho Xavier, a defesa dos réus ainda mantém sob sigilo os argumentos que serão usados para evitar a condenação. Em consenso, apenas de que irão alegar inocência. Na assistência de acusação, está a mãe de Matheus, a advogada Cristiane de Almeida Coutinho, que também está no plenário.

Alexandre Alves Padilhas representa o policial aposentado Vladenilson Daniel Olmedo e não quis especificar o que será usado para tentar convencer os jurados, apenas que será “no decorrer do júri”.

Ex-ministro do STJ, Nefi Cordeiro (de frente, sorrindo) faz a defesa de Jamil Name Filho. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ex-ministro do STJ, Nefi Cordeiro (de frente, sorrindo) faz a defesa de Jamil Name Filho. (Foto: Henrique Kawaminami)

Eugênio Malavasi, que representa Jamil Name Filho, preferiu não comentar como será a estratégia de defesa e que a expectativa é que aconteça o julgamento, indicativo de que não haverá qualquer argumentação para suspender o júri. Colega na empreitada, Nefi Cordeiro somente comentou que este é o primeiro julgamento que enfrenta depois de ter se aposentado do STJ (Superior Tribunal do Júri).

Cristiane de Almeia não quis falar com imprensa. Por mensagem, dias atrás, comentou por mensagem que "espera que a Justiça se faça presente".

Matheus Coutinho Xavier foi morto aos 19 anos, no dia 9 de abril de 2019, quando manobrava o carro do pai, no Jardim Bela Vista. A investigação apurou que o crime foi encomendado por Jamil Name e Jamil Name Fiho, mas que o alvo era o pai do jovem, o ex-policial Paulo Roberto Teixeira Xavier.

O nome de Jamil Name foi retirado do processo após a morte, por covid, em maio de 2020.

Além de Jamilzinho, fazem parte da lista de acusados o ex-guarda municipal Marcelo Rios e o policial aposentado Vladenilson Daniel Olmedo. O processo foi desmembrado para Juanil Miranda, foragido. O outro acusado, José Moreira Freixes, o Zezinho, foi morto em troca de tiros, em dezembro de 2020.

Acompanhe ao vivo o júri pelo Facebook do Campo Grande News. Clique neste link.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Acompanhe a transmissão do julgamento, ao vivo, clicando aqui.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também