ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  11    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Marquinhos promete número “assustador” de fiscais nas ruas a partir de hoje

Medida será alternativa para inibir irregularidades no trânsito e evitar acidentes que aumentam demanda de UTIs

Por Liniker Ribeiro | 30/07/2020 14:00
Com mais fiscalizações nas ruas, prefeitura deseja diminuir número de irregularidades e acidentes de trânsito (Foto: Kísie Ainoã/Arquivo)
Com mais fiscalizações nas ruas, prefeitura deseja diminuir número de irregularidades e acidentes de trânsito (Foto: Kísie Ainoã/Arquivo)

Após anunciar flexibilização para funcionamento do comércio e demais setores econômicos da Capital, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) reafirmou que não irá adotar a “lei seca” aos fins de semana. Em contrapartida, o número de fiscalizações e, principalmente, blitzes de trânsito, deve aumentar consideravelmente já nesta quinta-feira (30).

“Vamos colocar, a partir de hoje, um número assustador de funcionários para realizar os exames com bafômetro naqueles que estão circulando com carro e moto pela cidade”, avisou Marquinhos durante live em seu perfil oficial no Facebook, no início da tarde desta quinta-feira (30).

Segundo ele, a justificativa para intensificar as blitze está ligada a necessidade de controlar imprudências no trânsito que podem resultar em acidentes, o que faz aumentar a demanda por leitos de UTI

“É a maneira de mostrarmos a população que não é correto pegar carro ou moto se você não tem habilitação para isso. Você coloca em risco a vida da própria pessoa e de quem te ama, além de colocar em risco uma pessoa indefesa”, argumenta.

Ainda conforme o líder do executivo municipal, o número de pessoas em leitos de UTI, atualmente, comprovam que a demanda por atendimento a vítimas de acidentes de trânsito cresceu. “De cada 100 leitos de UTI da nossa cidade, 40% são ocupados por pacientes de traumas ou violência humana”.

Conforme a Santa Casa de Campo Grande, só este ano, 292 motociclistas que foram vítimas de acidentes de trânsito dependeram de atendimento no hospital. Só no mês de julho, 20 dependeram de um leito de UTI. Conforme Marquinhos, as fiscalizações chegam para barrar estes números.

“Quem avisa, amigo é! Você que está pilotando moto sem CNH, que está com documentos vencidos, está acostumado a dirigir alcoolizado ou com algumas doses de álcool no sangue, não saia na rua a partir de hoje. Se quiser arriscar, arrisque, mas vamos colocar pessoas para fiscalizar e acredito que seu final não será feliz.