A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

19/10/2016 17:10

Maternidade tem deficit de R$ 5 milhões e pode parar de atender pelo SUS

Richelieu de Carlo
Maternidade Cândido Mariano atende cerca de 1200 gestantes por mês, 700 pelo SUS. (Foto: Fernando Antunes)Maternidade Cândido Mariano atende cerca de 1200 gestantes por mês, 700 pelo SUS. (Foto: Fernando Antunes)

De janeiro a agosto deste ano, a Maternidade Cândido Mariano, em Campo Grande, acumula deficit de R$ 5,67 milhões em suas contas. Apesar de cobrir esse prejuízo com recursos próprios, a instituição pode chegar a um nível crítico e deixar de atender pelo SUS (Sistema Único de Saúde), principal responsável pelo rombo no orçamento.

Inquérito no MPE (Ministério Público Estadual) foi aberto para apurar a situação do hospital. Mensalmente, ocorrem cerca de 1.200 internações na unidade, sendo 700 pelo SUS, e o restante por planos de saúde ou atendimentos particulares.

Desde 2012, o sistema único deixou de atualizar os valores repassados à instituição, que tem de "cobrir a inflação galopante" desde então.

No ano passado, as despesas foram de R$ 19,1 milhões e os repasses dos SUS somaram R$ 14,3 milhões. Neste ano, a maternidade recebeu R$ 7,1 milhões do sistema e gastou R$ 11,4 milhões com despesas.

O responsável pelas informações é o diretor da maternidade, Alfeu Duarte de Souza. Ele alega que "se a situação continuar deste jeito, pode ser que algum momento tenhamos que fechar alguns setores e até a possibilidade de deixar de atender pelo SUS".

Para não chegar a este ponto, porém, ele tenta alertar diversos órgãos públicos, desde do Ministério Público ao Tribunal de Contas. E conseguiu chamar a atenção da promotora Paula Volpe, que analisou a situação financeira e abriu investigação para apurar a necessidade de aumento dos valores repassados pela Prefeitura Municipal de Campo Grande e Estado de Mato Grosso do Sul à Maternidade Cândido Mariano.

Alfeu, entretanto, ressalta que a instituição não tem dívidas, pois cobre com recursos próprios todos os gastos. Mas essa situação, faz com que não sobre dinheiro para investimentos.

"Desde 2012 recebemos o mesmo repasse do SUS. Só que os remédios, médicos, aparelhos, tudo ficou mais caro. Chega uma época que não dá mais para cobrir a inflação galopante", afirma o diretor da maternidade.

Em 2016, o deficit com os gastos com internações pelo SUS foi de R$ 4,8 milhões e, de janeiro a agosto deste ano, R$ 5,6 milhões. Um total de R$ 10,5 milhões. "Se o poder público aumentar os repasses em R$ 600 mil ou R$ 700 mil por mês já ajudaria a cobrir os gastos", calcula Alfeu Duarte.

Ele diz que a possibilidade de deixar de atender casos pelo Sistema Únicos de Saúde é real, apesar de remota. "Sempre que a situação chega a este ponto, o governo nos dá uma gota de oxigênio para poder respirarmos. Mas as coisas não podem seguir deste jeito. Precisamos de políticas sérias para a saúde".

Casos do interior - Outra situação que contribui para o aumento dos gastos da maternidade é o atendimento às pessoas que vêm do interior do Estado.

"Teve um mês que, de 17 gestantes internadas, 15 eram do interior. No interior não tem médico e vem tudo para a maternidade. O governo não investe, tem que ter qualidade na saúde no interior, não bastam somente os mutirões. Para onde essas pessoas vão se pararmos de atendê-las?", questiona Alfeu Duarte.

Santa Casa retoma transplantes, mas só vai fazer um até fim do ano
Os transplantes de rim no hospital serão retomados em novembro....
Começa hoje inscrição da Escola do SUS para curso técnico
Começam hoje (19) as inscrições para o curso técnico de enfermagem da Escola Técnicas do SUS (Sistema Único de Saúde) "Professora Ena de Araujo Galvã...
Escola do SUS abre quarta-feira inscrições para curso técnico no MS
Começa na quarta-feira (19) o prazo de inscrições - que vão só até sexta-feira (21) - o prazo de inscrições para o curso técnico de enfermagem da Esc...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions