ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Ministro do Supremo manda soltar goleiro Bruno de cadeia em MG

Rafael Ribeiro | 24/02/2017 09:58
Goleiro estava preso desde 2010 e ganha recurso pela primeira vez três anos sua condenação por homicídio triplamente qualificado (Foto: Divulgação)
Goleiro estava preso desde 2010 e ganha recurso pela primeira vez três anos sua condenação por homicídio triplamente qualificado (Foto: Divulgação)

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), concedeu na manhã desta sexta-feira (24) um habeas corpus ao goleiro Bruno, ex-atleta de Atlético-MG e Flamengo.

Com isso, o jogador recebeu o benefício de aguardar o julgamento do recurso de pena instaurado por sua defesa em liberdade e deverá ser solto do presídio Nelson Hungria, em Santa Luzia, cidade na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), até o fim da tarde.

Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão em março de 2013 pelo homicídio triplamente qualificado da ex-amante, a modelo Eliza Samudio, desaparecida desde 2010, mesmo ano em que o goleiro foi preso acusado pelo crime.


Segundo a Justiça, o jogador sequestrou, matou e sumiu com os restos mortais da sul-mato-grossense, até hoje não localizados.

No pedido feito no início do ano, a defesa do goleiro apelou para seus antecedentes (primariedade, bons antecedentes, residência fixa e ocupação lícita) e anulação da pena e nova análise após três anos do júri.

Mello concordou e ainda lamentou em sua decisão "que o apelo popular do caso tenha se sobressaído."

"Colocou-se em segundo plano o fato de o paciente ser primário e possuir bons antecedentes. Tem-se a insubsistência das premissas lançadas. A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há 6 anos e 7 meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória", disse.

Nos siga no Google Notícias