A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

06/01/2014 11:09

Morador ainda limpa casa 48 horas após enchente e alagamentos

Aliny Mary Dias
Tapeçaria ficou destruída após enchente (Foto: Marcos Ermínio)Tapeçaria ficou destruída após enchente (Foto: Marcos Ermínio)

Os 63,5 milímetros de chuva que caíram em Campo Grande e causaram destruíção na noite do último sábado (5) ainda são lembrados pelos moradores que limpam as casas e contabilizam os prejuízos.

Na Avenida Ernesto Geisel, esquina com as ruas Bom Sucesso, Rio Negro e Rio Verde, onde o Rio Anhanduí transbordou e atingiu 1,5 metros de altura na via, o cenário ainda é de muita sujeira e moradores empenhados na limpeza.

Ana Conceição, de 49 anos, é servidora pública e explica que as enchentes no sobrado onde ela vive com a família ocorrem desde 2005, mas a situação ficou mais grave há um ano, quando a Rua Bom Sucesso foi canalizada.

“Toda vez é assim, eu tento salvar minhas coisas, mas a água invade e acaba com tudo. Estou limpando tudo isso desde ontem, e ainda tive que faltar o serviço hoje”, explica.

A água chegou a um nível tão alto dessa vez que até o carro da mulher que estava estacionada na garagem foi inundado. “Hoje eu coloquei ele aqui fora para tomar um sol, mas o cheiro está insuportável e vou ter que levar no mecânico para ver meu prejuízo”, completa. 

Dono de tapeçaria desolado diante de situação (Foto: Marcos Ermínio)Dono de tapeçaria desolado diante de situação (Foto: Marcos Ermínio)
Ana teve carro, que estava na garagem, alagado (Foto: Marcos Ermínio)Ana teve carro, que estava na garagem, alagado (Foto: Marcos Ermínio)

Além dos problemas de perder os móveis e o transtorno de ter de limpar toda a casa a casa chuva, Ana conta que o imóvel ficou desvalorizado depois que a fama da “rua da enchente” se espalhou pela cidade.
“Eu quero vender, mas chamei um corretor aqui e ele avaliou a minha casa em R$ 150 mil, um valor absurdo para um sobrado. Sem contar que ninguém quer morar aqui”, afirma.

Outra família que vive com o problema de imóvel “encalhado” é o tapaceiro Ubaldino Simões, de 54 anos. Os dois salões que ele possui na Ernesto Geisel esquina com a Bom Sucesso foram alagados.

“A água chegou a quase 1 metro, dessa vez foi muito feio”, conta o comerciante. O domingo e esta segunda-feira foram destinados para a limpeza do estabelecimento.

O prejuízo estimado pelo proprietário é de R$ 2 mil, exceto todos os trabalhos que não podem ser pegos durante esse período. “Muita coisa que estava pronta eu perdi, coloquei no sol, mas vou precisar refazer muito trabalho. Também tenho prejuízo porque não posso pegar serviço”, completa.

Lixo ficou preso em grades de estabelecimento da avenida (Foto: Marcos Ermínio)Lixo ficou preso em grades de estabelecimento da avenida (Foto: Marcos Ermínio)


Bem feito para a maioria da população Campo Grandense quem mandou votar no Bernal, nunca vi esta cidade tão imunda como estamos vendo, não tem um lugar que você vá que não esteja cheia de lixo, mato, bueiros entupidos.......... só Deus para ter misericórdia por que infelizmente não podemos contar com a justiça, pois no Brasil ela não existe.
 
Ane Helena em 06/01/2014 15:47:32
enquanto isso o coordenador da defesa civil municipal fica fazendo manifestação pró-bernal na câmara de vereadores.devia estar ajudando estas famílias atingidas pelas chuvas e não ficar fazendo política para o patrão.e lá vem o IPTU 2014.
 
Carlos Henrique em 06/01/2014 15:26:29
A prefeitura não esquece de vocês....IPTU 2014 VEM AÍ.
 
Clovis Araujo em 06/01/2014 11:51:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions