A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Abril de 2019

12/04/2019 14:55

Moradores denunciam família que invadiu terreno e fez horta orgânica no Cabreúva

Eles acusam moradores de manter local como 'ponto de drogas'. Invasores negam e dizem que precisam de apoio para manter horta.

Ronie Cruz
Horta está sendo feita em área invadida onde funcionava o Instituto dos Arquitetos (Foto: Marina Pacheco)Horta está sendo feita em área invadida onde funcionava o Instituto dos Arquitetos (Foto: Marina Pacheco)

O antigo espaço onde funcionava o IAB-MS (Instituto de Arquitetos do Brasil - Mato Grosso do Sul), no Cabreúva, virou ponto de conflito envolvendo vizinhos e família que transformou o espaço em uma horta orgânica. A área, na avenida Ernesto Geisel com a rua Dom Pedro I, fica ao lado do prédio onde funcionava a Escola Estadual Riachuelo, desativada este ano.

Com aproximadamente 100 metros de extensão, o terreno possui duas casas de madeira planejadas, uma em cada esquina, e uma área de lazer entre as duas, além de um grande quintal. Os vizinhos se queixam que estão inseguros porque o terreno teria virado um ponto de encontro de usuários de droga. A reportagem do Campo Grande News conversou com três moradores que vivem perto da área. Ninguém quis se identificar.

Área invadida está abandonada há pelo menos dez anos, dizem vizinhos (Foto: Marina Pacheco)Área invadida está abandonada há pelo menos dez anos, dizem vizinhos (Foto: Marina Pacheco)

A primeira denúncia é de uma mulher de 28 anos que mora do na Rua Dom Pedro I, uma quadra acima do local. Ela diz que o ponto é frequentado por usuários de drogas. "Tem um entra e sai de gente e uma sujeira da bexiga”, afirmou. Na mesma rua, mais para baixo, uma outra mulher disse ter até medo de denunciar. “Isso aí é uma boca de fumo. A gente tem medo de falar porque é gente perigosa que fica aí. Eles jogam entulho aí dentro”, disse.

Outro morador reclama que já denunciou a situação para a prefeitura pelo canal 156, mas que até hoje não teve nenhum retorno. “Eu já liguei lá várias vezes e ninguém resolve nada. Uma boca de fumo danada faz anos. A polícia vem aí, dá uma paradinha e vai embora”.

Kelvin nega que local seja boca de fumo e diz que expulsou 'biqueiros' quando se mudou com a família (Foto: Marina Pacheco)Kelvin nega que local seja boca de fumo e diz que expulsou 'biqueiros' quando se mudou com a família (Foto: Marina Pacheco)

Do outro lado, os alvos das denúncias negam as acusações. Kelvin Dinderson, 29, confirma que o local já foi uma ‘boca de fumo’, mas antes da família expulsar os usuários. Ele mora há dois anos em uma das casas dentro do terreno com a mulher que está grávida de três meses e os filhos, uma menina de 10 e um garoto de 4 anos. Na outra casa mora uma cunhada, com dois filhos. É dele a ideia de transformar o local abandonado.

“Antes isso daqui era pra ser um espaço de cultura da prefeitura, mas ficou abandonado com ‘biqueiros’. Quando a escola funcionava aqui do lado, eles pulavam o muro pra entrar. Hoje eu planto abóbora, tomate, tem uma estufa que já está quase pronta. Tenho pé de caju e amora também. Às vezes eu topo uma gurizada de rua que vem e me ajuda”, disse acrescentando que abriga no local nove crianças de rua.

Pneus recolhidos do lixo foram transformados em vasos de plantas (Foto: Marina Pacheco)Pneus recolhidos do lixo foram transformados em vasos de plantas (Foto: Marina Pacheco)
Famílias que invadiram área já plantaram amora, caju, abóbora e tomate (Foto: Marina Pacheco)Famílias que invadiram área já plantaram amora, caju, abóbora e tomate (Foto: Marina Pacheco)

Na Ernesto Geisel, Kelvin decorou a entrada com pneus recolhidos da rua que viraram vasos de plantas. Segundo ele, a ideia é cultivar produtos orgânicos e vender na própria comunidade “por um preço acessível e sem agrotóxicos”.

“A horta tá incomodando vizinhos. Mas o que eu estou fazendo aqui é desenvolvendo adubo orgânico. As pessoas trazem restos de podas de árvores que eu uso pra fazer o adubo. Só que está tudo organizado. Tenho amigos que são moradores de rua. Eu deixo eles dormirem aqui e em troca eles me ajudam na horta”, afirmou.

Kelvin morava no Monte Castelo antes de invadir o terreno. Ele conta que veio de Rochedo, onde trabalhou com agricultura até a mãe falecer. O invasor admite não ter a posse da área e fala que já buscou ajuda na prefeitura para legalizar a permanência, mas ainda não teve uma resposta."A gente precisa de apoio pra continuar com a horta aqui", finalizou Kelvin.

A presidente do IAB-MS (Instituto de Arquitetos do Brasil - Mato Grosso do Sul), Adriana Tannus, disse que a área foi entregue para a prefeitura no ano passado. "Foi uma comodata da prefeitura para o IAB durante um tempo. A gente cuidava, mas foi vendo que não tínhamos força financeira pra manter o local e entregamos para a prefeitura para dar o melhor uso", afirmou.  

Direto das Ruas - A sugestão chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, meio de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99955-2040, pela ferramenta Fale Conosco ou por mensagem enviada via Facebook.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions