ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Movimentos sociais protestam no Incra por retomada da reforma agrária

Chloé Pinheiro | 13/09/2016 08:23
Mato Grosso do Sul conta hoje com cerca de 27 mil famílias assentadas e estima-se que até 29 mil esperem por seu pedaço de terra. (Foto: Fernando Antunes)
Mato Grosso do Sul conta hoje com cerca de 27 mil famílias assentadas e estima-se que até 29 mil esperem por seu pedaço de terra. (Foto: Fernando Antunes)

A Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de MS) espera reunir 700 pessoas nesta terça-feira (13) na frente da sede do Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária), no centro de Campo Grande, para protestar por avanços na reforma agrária. 

"A situação está muito difícil, e a permanência na área rural está insustentável", diz Valdenir Nobre de Oliveira, presidente da Fetagri. Segundo ele, são mais de 21 mil famílias sem-terra no estado que estão acampadas aguardando a distribuição de lotes para a agricultura familiar. 

A realização de novos cadastros para a reforma agrária está paralisada no Mato Grosso do Sul desde julho, quando o TCU (Tribunal de Contas da União) verificou 38 mil irregularidades nos assentamentos já concluídos. 

"Mais de 80% dos lotes que já tinham sido distribuídos estão bloqueados e as famílias ficaram irregulares", aponta Valdenir. "As alegações são, por exemplo, que o dono do lote atingiu limite de idade, mas são pessoas que completaram 60 anos lá dentro", justifica. 

"Ou dizem que temos bens, como caminhões e tratores, que na verdade não temos", relata. Além de legalizar novamente as famílias que já estão assentadas, a pauta da manifestação envolve também a retomada das vistorias do Incra em áreas indicadas para novos assentamentos. 

Participam da manifestação famílias sem-terra de todo o estado, movimentos sociais e sindicatos ligados ao trabalho na produção agrícola. "Faremos o ato público para pedir às autoridades que sentem conosco para discutir e desenvolver a agricultura familiar, e ficaremos lá até obter uma resposta", planeja Valdenir. 

Nos siga no Google Notícias