A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

09/08/2017 13:06

Mudanças na estrutura atrasaram conclusão do Hospital do Trauma

Anvisa solicitou mudanças na estrutura da obra, o que atrasou o término do prédio

Richelieu de Carlo e Leonardo Rocha
Obra do Hospital do Trauma. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Obra do Hospital do Trauma. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

O diretor-presidente Santa Casa, Esacheu Nascimento, afirmou que uma solicitação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para mudanças na estrutura fez com que a entrega do Hospital do Trauma fosse atrasada por mais alguns meses.

A previsão anterior era de que o prédio fosse concluído até o fim deste mês de agosto. Com a justificativa de ter um hospital mais "funcional", a Anvisa pediu modificações que não estavam previstas no projeto inicial, que inclusive tinha sido aprovado pela agência.

"Foi necessário quebrar algumas paredes e fazer modificações na estrutura, por isso retardou o projeto", justificou Esacheu após término de reunião na Assembleia Legislativa na manhã desta quarta-feira (9).

Com isso, a empresa responsável pelas obras, a Poligonal Engenharia e Construções Ltda, tem até dezembro de 2017 para entregar o prédio pronto. Entretanto, segundo Esacheu, a empreiteira se compromete a entregar até 30 de setembro a parte externa do prédio e o estacionamento; e finalizar as reformas estruturais até o término de outubro.

"Não houve gasto adicional e o valor segue o mesmo prvisto no orçamento incial", afirmou Esacheu.

Lançada ainda na década de 1990, a obra do Hospital do Trauma de Campo Grande tem sido uma novela que já se arrasta por 20 anos. Inicialmente seria uma maternidade, em 2002 o projeto foi alterado para ser uma extensão da Santa Casa, mas acabou novamente alterado em 2010 para ser uma unidade hospitalar voltada à traumatologia, por conta da alta demanda de feridos em acidentes de trânsito.

A conclusão da obra terá investimento de R$ 8,4 milhões provenientes de vários parceiros. São R$ 3,2 milhões da Prefeitura de Campo Grande, R$ 2,5 milhões do Ministério da Saúde, R$ 1,6 milhão do Governo do Estado e R$ 890 mil da ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande).

Nos 6.300 metros quadrados de área construída, funcionarão o setor de ortopedia e politraumatismo, com 130 leitos de enfermaria, 10 leitos de UTIs, dois leitos de isolamento, 18 leitos de observação, cinco salas cirúrgicas, salas de Raio-X, tomografia e ultrassonografia.

Alunos de escola estadual plantarão 50 mudas de Ipês nesta quinta-feira
Comemorado nesta quinta-feira (21), o Dia da Árvore será marcado pelo plantio de 50 mudas de Ipês por cerca de 200 alunos da Escola Estadual, no Conj...
Caminhoneiros poderão fazer "check up" de graça amanhã na BR-163
Caminhoneiros que trafegarem pela BR-163, em Campo Grande poderão fazer um check up para saber como anda a sua saúde, gratuitamente, nesta quinta-fei...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions