A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

05/04/2011 08:30

Filhas denunciam situação de mães internadas na ala de Neurologia da Santa Casa

Paula Maciulevicius

Paciente chegou a ter cirurgia remarcada seis vezes

Camila só soube do derrame da mãe, internada na Santa Casa, três dias depois do acontecido. (Foto: João Garrigó)Camila só soube do derrame da mãe, internada na Santa Casa, três dias depois do acontecido. (Foto: João Garrigó)

O drama da família de Camila Crispin de Souza já dura 65 dias, contados no calendário. Ela veio de Chapadão do Sul com a mãe de 52 anos diagnosticada com aneurisma cerebral e deu entrada na Santa Casa de Campo Grande no dia 30 de janeiro.

Desde então Camila, relata que só escutou a palavra “espera” dos médicos. Houve demora até para a filha saber que a mãe havia sofrido um derrame depois de sete convulsões. Além de ter a cirurgia do aneurisma remarcada seis vezes.

A mãe de Camila já passou por uma cirurgia, que segundo a filha correu tudo bem. A outra cirurgia que deveria ser feita após a primeira chegou a ser remarcada seis vezes, a filha conta que a paciente ficava em jejum durante 24 horas e quando chegava a hora de ir para o centro cirúrgico tinha a notícia de que não iria acontecer o procedimento.

Depois de 15 dias, os 28 pontos da cirurgia feita infeccionaram e por mais que ela falasse com os médicos, nada era resolvido.

Camila ainda fala que os pontos estouraram por conta da diabetes, e que a mãe quase morreu no quarto, esperando ser socorrida mesmo estando dentro de um hospital.

“Eles faziam pouco caso de mim. E eu vendo que saía pus da cabeça dela. Foi uma correria no quarto, ela ficou no oxigênio, baixou a pressão”, conta.

Na sexta-feira passada, a mãe teve sete convulsões em menos de uma hora e o médico neurologista que atende a paciente apenas pediu uma tomografia e a medicou para evitar outras crises.

Depois disso Camila conta que a mãe só dorme, se alimenta pela sonda e não fala.

“Ela já perdeu quase 20 quilos, não faz nada, não reage, não abre os olhos. Como é que não aconteceu nada com ela?”, questiona a filha.

Segundo Camila, depois de ter falado para o médico de que ela iria procurar a justiça, ele afirmou que a mãe teve um derrame.

“Eu disse como é que o senhor só me explica hoje? Só me fala agora que a minha mãe teve um derrame?”, completa.

Mãe de Camila teve cirurgia de aneurisma cerebral remarcada seis vezes.  (Foto: Arquivo Pessoal)Mãe de Camila teve cirurgia de aneurisma cerebral remarcada seis vezes. (Foto: Arquivo Pessoal)

De acordo com Camila, a mãe teria sofrido o derrame na sexta-feira passada, após as crises de convulsão, e que o médico falou na tarde de ontem (04) o que havia acontecido.

“Eu estou lutando sozinha, sem ninguém para me ajudar e minha mãe está morrendo dentro de um hospital. É um caso de calamidade pública isso aqui”, completa.

Situação semelhante vive a agente de saúde Jucilene Silva de Oliveira, que está com a mãe de 53 anos internada na Santa Casa, depois de um aneurisma cerebral, há 68 dias.

Ela conta que o médico especialista conversou com a família apenas duas vezes. As visitas são sempre feitas por médicos residentes. Assim como a mãe de Camila, a de Jucilene também não pode ser operada.

“Os médicos alegavam que o aparelho usado estava quebrado, depois o médico não deixou fazer o procedimento. Agora já tem o aparelho, mas eles falam que ainda não está montado”, relata.

“Minha mãe também sofreu um derrame e eles falam que precisa fazer tomografia, e até agora nada”, revela.

Jucilene procurou a promotoria pública na tentativa de agilizar a situação. Ela ainda precisa arcar com o medicamento da mãe, porque o hospital não tem fornecido.

“Eu pago por mês R$ 400,00 em remédio. É um descaso muito grande, os médicos quando vêem a família, correm da gente. O problema é por parte da direção médica do hospital. Eu queria que alguém tomasse uma providência logo”, ressalta.

A filha ainda completa que a paciente iria fazer a cirurgia do aneurisma hoje, mas não fez. Os médicos deram a previsão de mais 10 dias.

“Para quem viveu 22 anos de enfermagem, como a minha mãe, hoje estar vivendo essa situação é difícil”, finaliza.

Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...


vc pode colocar esse descaso no(reclame aqui) acredito q/ vão dar uma solução.Um grande abraço.
 
Marlene mesquita em 21/05/2011 05:05:32
Já tive uma tia internada na santa casa com aneurisma.
Td lá é precário, desde o atendimento no balcão, o descaso é geral, a pessoa está doente, passando mau, quase morrendo e ainda é mau tratada por funcionários sem qualificação e respeito pelo próximo.
A saúde em nosso estado está num descaso total, o atendimento em posto de saúde, precário, tenho uma vó e toda vez q tenho q ir em um posto é uma maratona.. e vai pra, vem pra cá.. encaminhamentos errados, médicos despreparados para atendimento.
Realmente é "LAMENTÁVEL".
Será que um dia vai melhorar. Eu não acredito mais.
 
Edivaldo Alves Silva em 05/04/2011 12:55:51
É lamantável ver uma reportagem dessas e não sentir uma repulsa pela administração desse hospital, é desumano..espero q o prefeito tenha visto essa reportagem.....e tome uma providência...sei que tem um coração nobre...prove isso a população e mostre que nem tdo esta perdido.
 
luciene maria nogueira em 05/04/2011 11:04:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions