A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

19/01/2015 23:58

Mulher ofende porteiro e caso vai parar na delegacia como injúria racial

Daniel Machado

O porteiro Francisco Nestor Porfirio, de 47 anos, trabalhava no Condomínio Residencial Village Bahamas, na rua Brasil Central, 477, Bairro Santo Antônio, em Campo Grande, nesta segunda-feira (19) quando foi vítima de injúria racial por parte de uma pessoa, identificada unicamente como Vilma.

Segundo o B.O. (Boletim de Ocorrência) registrado pela vítima na Depac-Centro, Vilma, identificada na portaria como prestadora de serviços, chegou por volta das 17h20 para atender uma cliente e moradora do condomínio, e irritou-se com a falta de vagas de estacionamento para visitantes.

Após deixar o apartamento da cliente, Vilma novamente teria passado pela portaria e, desta vez, ofendido a vítima dizendo: “você é preto, você não serve nem para porteiro”.

A situação, segundo Francisco, foi presenciada por pessoas que passavam pela rua e deixou-o ofendido e constrangido. Não satisfeita com a agressão verbal, a autora teria telefonado no celular do síndico do condomínio, Ademir Lopes, e dito que “um cidadão de cor havia lhe tratado mal”.

Diante do constrangimento e humilhação, Francisco, que trabalha há um ano e sete meses no condomínio e alega ter bom relacionamento com todos os condôminos do local, foi orientado a registrar um B.O. contra a autora da injúria racial, salientando que é negro e nunca havia passado por situação semelhante.

De acordo com Elaine Cristina Ishiki Benicasa, delegada da Depac-Centro, o caso será passado para a delegacia de origem, ou seja, mais próxima do bairro Santo Antônio, para que seja feita a identificação completa da autora, conhecida no momento somente por Vilma, e a convocação da mesma para prestar satisfações.

A reportagem do Campo Grande News tentou contato com Vilma, porém ela não atendeu os telefonemas, a exemplo do síndico do Condomínio Residencial Village Bahamas.

Segundo a delegada, Injúria Racial está alocado no Artigo 140, parágrafo 3, Capítulo V do Código Penal Brasileiro como um dos “crimes contra a honra”. “Ainda há muita confusão nesses crimes. A injúria racial é um pouco menos severa que o racismo, que é inafiançável e ocorre quando algum direito fundamental é cerceado por conta da raça da pessoa, mas mesmo assim a pessoa também responde na esfera criminal, com pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa”, explica.

Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions