ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  31    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Mulher trans encontrada em árvore tinha 28 anos e era formada em Artes Cênicas

Polícia aponta como suicídio causa da morte de mulher trans no Bairro São Conrado

Por Paula Maciulevicius Brasil e Laiane Paixão | 29/09/2020 09:21
Corpo foi encaminhado para o Imol para confirmar causa da morte que a Polícia afirma ser suicídio. (Foto: Marcos Maluf)
Corpo foi encaminhado para o Imol para confirmar causa da morte que a Polícia afirma ser suicídio. (Foto: Marcos Maluf)

Para a Polícia, não tem outra linha de investigação a não ser o suicídio por enforcamento como causa da morte da mulher trans encontrada na árvore, na região do córrego Buriti Lagoa, na manhã de hoje, no Bairro São Conrado, em Campo Grande.

A Polícia também a identificou, pelos documentos, com o nome de registro. Ela tinha 28 anos e usava o nome social de: Sucia Labasura Constantino Barbosa. Formada em Artes Cênicas pela UFGD, Sucia era artista, foi bailarina fazendo parte do grupo DOME e no Studio Blanche Torres, em Dourados até 2012. Atualmente ela trabalhava na produção de cosméticos naturais.

Sucia em foto de perfil de rede social, atualizada em agosto. (Foto: Reprodução/Facebook)
Sucia em foto de perfil de rede social, atualizada em agosto. (Foto: Reprodução/Facebook)

Se identificando como mulher trans não binário, anterior à transição, Sucia foi notícia em manifestos artísticos nus na cidade de Dourados nos anos anteriores e já era artisticamente conhecida por suas performances. Seu trabalho era baseado na dança, sexualidade, gênero, performance e diversidade.

Tudo intenso - "Ela viveu intensamento tudo. Nada era morno, não tinha meio termo, não tinha passar pano para LGBTfobia nem para o machismo", sem se identificar, é assim que um amigo bem próximo, também artista, via Sucia. Nas redes sociais e grupos de WhatsApp, os amigos começam a se manifestar.

Polícia encontrou documentos na bolsa que constavam nome de registro de Sucia. (Foto: Marcos Maluf)
Polícia encontrou documentos na bolsa que constavam nome de registro de Sucia. (Foto: Marcos Maluf)

O corpo foi encaminhado para o Imol (Instituto Médico Odontológico Legal). “Não tem outra linha de investigação a não ser que o IML diga que não foi. corpo foi encaminhado para confirmação”, disse o delegado da 6ª Delegacia de Polícia Civil  Giuliano Baiacio.

Caso - Moradores do bairro avistaram o corpo pendurado em uma árvore no início da manhã de hoje, na trilha utilizada para caminhada.

Uma das vizinhas reconheceu Sucia pelos sapatos. Segundo relatos da vizinhança, ela sempre caminhava pela região.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário