A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

13/12/2012 09:30

Nove bairros têm índice alto de mosquito transmissor da dengue

Luciana Brazil
Focos da dengue em Campo Grande já passam de 240. (Foto:Arquivo/ Minamar Júnior)Focos da dengue em Campo Grande já passam de 240. (Foto:Arquivo/ Minamar Júnior)

Os dados do último Lira (Levantamento do Índice Rápido do Aedes egypti) elaborado na primeira semana de dezembro pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), mostram que o IIP (Índice de Infestação Predial) em Campo Grande foi de 1,9% de domicílios visitados com focos do mosquito. O número total de focos na cidade foi de 241.

Nove bairros da Capital são apontados como áreas de risco, entre eles, o Itamaracá, Universitário e o Santo Amaro, com índices de infestação acima de 4. O bairro Itamaracá é o que apresenta maior IIP, de 4,8%.

Tiradentes, São Lourenço, Tijuca, Noroeste, Veraneio e parte do São Corado também são considerados com região de risco.

Em alguns pontos da cidade o índice está abaixo de 1. Nos bairros Monte Castelo, Chácara Cachoeira, Margarida, Carlota, Albuquerque, Panamá, Cabreúva, Jardim Paulista e Vila Sobrinho o IIP é de 0%.

De acordo com a Secretaria de Saúde, o índice do último levantamento em Campo Grande é considerado alto, porém não é avaliado como epidemia. O início das chuvas começa a elevar o número de focos. O Lira da primeira semana de setembro teve IIP de 02,2%, período ainda de estiagem na cidade.

A Sesau informou tem priorizado as áreas de risco e os trabalhos têm se concentrado em bairros que apresentam maior IIP. O plano estratégico de combate a dengue no município já foi apresentado no Comitê Municipal de Controle e Combate à Dengue.

 

Em 11 meses, Campo Grande registrou 5,6 mil casos de dengue
Campo Grande registrou 5.664 mil casos de dengue de janeiro a novembro deste ano. O levantamento divulgado nesta terça-feira (4) pela Sesau (Secretar...
Em um ano, número de casos de dengue em MS aumentou 108%
Os casos de dengue em Mato Grosso do Sul aumentaram 108% em Mato Grosso do Sul, conforme boletim epidemiológico divulgado na sexta-feira (30) pela Se...
Homem é agredido e sofre afundamento de crânio na Júlio de Castilho
Márcio Ferreira dos Santos, 31 anos, foi agredido e sofreu afundamento de crânio, na noite de ontem (13), na Avenida Júlio de Castilhos, em Campo Gra...


O que não entendo é o porque de jogarem lixo em terrenos desabitados, se a coleta de lixo em Campo Grande é praticamente diária? Recentemente fiz nova limpeza (carpida) em um terreno de minha propriedade que esta devidamente cercado ( a limpeza anterior foi a menos de 2 meses). Surpreendeu-me o tanto de lixo que tirei. E olha que no bairro onde o terreno se localiza, a coleta acontece três vezes por semana. Só a vegetação, densa ou não, por si só não é causa de proliferação de mosquitos. Temos sim a obrigação de zelar, fazer nossa parte, mas tem muito vizinho de lote desabitado que não pensa na própria saúde. Depois contrai dengue e culpa o dono do lote e a prefeitura.
 
Fernando Silva em 13/12/2012 21:54:52
Isso se dá ao grande números de lixões clandentinos instalados nos terrenos baldios, nos acostamentos das grandes avenidas e nas grandes areas verdes que tem nesses bairros, vejo todos os dias caminhões entrando e saindo do prolongamento da avenida lúdio Martins Coelho, até caminhões de leva entulhos, para por lá e joga todo tipo de lixo, tem até animais mortos, e não adianta dizer que o dono tem que fechar a area, pois quem faz isso, jogando lixo em qualquer lugar, vai fazer em outro lugar, até nas ruas, pois sabe que em tempo algum será penalizado pois não existe fiscalização, é tempo de pensar sobre isso, não existe um ponto na cidade que não tenha esse problema, deveria ser feito uma força tarefa para acabar com tais abusos, hoje não é só carroceiro que joga sujeira não, acorda autorid
 
Rose Pereira em 13/12/2012 10:54:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions