A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

08/09/2014 17:12

Número de homicídios contra mulheres tem aumento de 50% na Capital

Filipe Prado

O número de mulheres assassinadas até setembro deste ano pode chegar a 50% a mais, se comparado com os homicídios que ocorreram durante todo o ano de 2013. De acordo com a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) oito homicídios ocorreram até hoje (8) na Capital, sem contar com a morte de Rosângela Ferreira, 48 anos, que pode ter ocorrido pela agressão do marido na noite de quinta-feira (4).

Em 2013 foram registrados somente seis mortes em Campo Grande. As notificações também aumentaram, conforme dados da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública). Este ano foram 922 casos, no mesmo período do ano passado foram registrados 809.

Conforme a delegada adjunta da Deam, Marília de Brito Martins, a violência sempre existiu, porém tem ficado mais evidente por conta das leis que protegem a mulher. “Antes a mulher apanhava e continuava em casa, agora a Lei Maria da Penha tem fortalecido a mulher”, explicou.

O crescimento de homicídios é preocupante, de acordo com a delegada, por que “destrói famílias e devem ser tratados com gravidade”. A maioria dos assassinatos são causados por namorados, maridos, companheiros, ou seja, alguém que tenha uma ligação afetiva com a vítima.

“Geralmente a pessoa não aceita a separação ou que ela tenha outro relacionamento. Existem indivíduos que ainda não sabem lidar”, revelou a delegada. A independência da mulher também tem sido a causa dos assassinatos, por que “alguns homens tem dificuldade de aceitar”.

A delegada alertou as mulheres sobre a tolerância com a violência. “Tem que denunciar no primeiro momento, não tolerar os atos de violência. Procurar uma delegacia e demonstrar que não será mais agredida”, reforçou Marília.

Rosângela foi uma das mulheres que não aceitou denunciar o companheiro, que agora é investigado pela morte da esposa. De acordo com a filha, Maria Cristiana Ferreira dos Santos, 28, a mãe já teria afirmado que teria sido agredida por Jorge, o marido, mas não quis se separar ou denunciá-lo.

A filha contou que a mãe foi internada na Santa Casa com fortes dores e sofrendo convulsões. Rosângela alegou que os machucados teriam sido causados por uma queda, mas o médico plantonista suspeitou que o ferimento causado em sua cabeça seria por espancamento, sendo que não havia corte ou ralado na região.

Mulher baleada na cabeça morre após oito dias internada
Morreu na manhã deste domingo (07), no Hospital da Vida de Dourados, Jocicléia Lopes Vargas, 32 anos, que estava internada desde o dia 30 de agosto, ...
Madrugada tem cinco casos de violência contra a mulher
Neste domingo (7), das 00h até o momento, a PC (Polícia Civil) registrou, por meio do Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional), 5 ocorrências d...
Ex-marido invade casa, espanca mulher no meio da rua e tenta agredir PMs
Uma mulher de 37 anos foi perseguida e espancada várias vezes pelo ex-marido no início da madrugada de hoje (6) no Bairro São Conrado, em Campo Grand...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions