ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Capital

OAB promete apuração sobre investigado por venda de sentenças

Mansour Karmouche comentou sobre os desdobramentos da Operação Espada da Justiça

Por Jones Mário e Leonardo Rocha | 21/10/2019 12:52
Chegada de equipe de buscas à sede do Gaeco, na última sexta-feira (Foto: Fernanda Palheta)
Chegada de equipe de buscas à sede do Gaeco, na última sexta-feira (Foto: Fernanda Palheta)

O presidente da seccional sul-mato-grossense da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Mansour Elias Karmouche, prometeu investigação por parte da entidade sobre o advogado Wilson Tavares de Lima, alvo de operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) contra esquema milionário de venda de sentenças judiciais.

Karmouche ainda pediu “agilidade na resposta” e disse que vai cobrar da Corregedoria Nacional de Justiça a apuração da responsabilidade do juiz Aldo Ferreira da Silva Junior. O magistrado está afastado do TJMS (Tribunal de Justiça do Estado) desde novembro de 2018 e também foi alvo de mandados de busca e apreensão da Operação Espada da Justiça, deflagrada na sexta-feira (18).

Durante solenidade de abertura dos trabalhos de inspeção da Corregedoria Nacional, nesta segunda-feira (21), no plenário do Tribunal Pleno do TJMS, Mansour Karmouche classificou o caso como “um escândalo”.

Na sexta, agentes do Gaeco cumpriram mandados de busca e apreensão na casa do juiz Aldo Ferreira da Silva Junior, em condomínio de luxo no Bairro Tiradentes, e em endereços ligados ao advogado Wilson Tavares de Lima.

Em nota, o Gaeco disse que a operação “apura eventuais delitos de corrupção e associação criminosa, supostamente praticados em autos de inventário, durante período de atividade funcional de membro do Poder Judiciário em Vara de Família e Sucessões da Capital, e outros desdobramentos”.

De acordo com o Gaeco, a Espada da Justiça cumpriu mandados em Campo Grande, Aquidauana e Rochedo. O nome da operação “faz alusão à ideia da coragem de cortar na própria carne quando necessário”, diz nota enviada à imprensa.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário