A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

12/02/2014 14:31

Operação contra o tráfico foi dividida em 3 fases, cumpriu mandados e prendeu 11

Bruno Chaves
Comandante da PM, coronel David (ao meio), e demais autoridades policiais (Foto: Divulgação/PM) Comandante da PM, coronel David (ao meio), e demais autoridades policiais (Foto: Divulgação/PM)

Desencadeada às 4h de hoje (12), operação da Polícia militar, batizada de 181 – em referência ao número do narcodenúncia –, cumpriu 29 mandados expedidos pela Justiça e prendeu 11 pessoas. O objetivo principal da ação foi fechar pequenos pontos de vendas de drogas em varejo.

Para a polícia, esses pequenos comércios, conhecidos popularmente como bocas de fumo, funcionam como impulsionadores de outros crimes que geram insegurança e medo na sociedade, como roubos, furtos e homicídios, por exemplo.

Três fases – Segundo a assessoria, a Operação 181 foi divida em três fases. Na primeira, a ACI (Agência Central de Inteligência) levantou diversos pontos de vendas de drogas espalhados pela cidade. As informações foram obtidas pelo telefone 181, que funciona como disque denúncias. Após o levantamento, o Gaeco (Grupo de Atuação Especializada no Crime Organizado) conseguiu 29 ordens judiciais, entre mandados de prisão e de busca e apreensão.

A segunda fase da operação foi realizada na madrugada de hoje e contou com apoio de mais de 500 policiais militares, que cumpriram os 29 mandados expedidos. Ao todo, 11 pessoas foram presas, três delas por mandado de prisão e oito por desdobramento dos mandados de busca e apreensão.

Quatro motocicletas que eram usadas no “disque-droga” foram apreendidas, além de um revólver calibre 38, uma balança de precisão, cerca de R$ 1,5 mil, um celular, um chipe, uma TV de 40 polegadas, um aparelho de som, um capacete, um quilo e 30 gramas de maconha e 170 gramas de cocaína.

Na terceira fase, 170 policiais militares reforçaram a segurança em sete bairros da Capital: Nhá Nhá, Zé Pereira, Santa Emília, São Conrado, Nova Lima, Imperial e Estrela do Sul. Nesses locais, os militares fizeram abordagens a pessoas e veículos, além de checar estabelecimentos, como bares e conveniências, e divulgar o Dique 181.

PM combateu o tráfico em varejo e apreendeu porções de cocaína, maconha e cerca de R$ 1,5 mil (Foto: Divulgação/PM)PM combateu o tráfico em varejo e apreendeu porções de cocaína, maconha e cerca de R$ 1,5 mil (Foto: Divulgação/PM)

Segundo o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Carlos Alberto David dos Santos, o reforço do policiamento nas regiões continuará sem data prevista para terminar. Os policiais ficarão nos bairros durante o dia e a noite e migrarão para outras regiões, conforme levantamento da ACI.

“O foco da operação é o fechamento de pontos de vendas de drogas, identificados graças a denúncias anônimas no Narcodenúncia 181. O fechamento dessas bocas de fumo influencia diretamente na prática de outros delitos, como roubos e furtos, que é o meio utilizado por muitos usuários de drogas no intuito de conseguir dinheiro para manter o vício” explicou o coronel à assessoria.

Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...


E o Santa Luzia que a PM prende e no mesmo dia a turminha volta? E na pracinha da Cophasul que TODO DIA tem gente fumando baseado AO LADO do Pelotão da PM?
 
Maria Lima em 12/02/2014 16:08:19
Excelente que sejam tomadas iniciativas como essa. Há um porém, no entanto.
Bocas de fumo só vendem entorpecentes porque há quem compre. Enquanto usuários forem tratados com tanta benevolência pela legislação, operações como essa serão apenas um paliativo.
Se um restaurante não vende comida, o estabelecimento vai à falência. A lógica é a mesma. Sei que dependência química é doença: mas quem está doente deve receber tratamento. Além do mais, ninguém nasce fumando um baseado, cheirando pó ou fumando crack. Políticas governamentais de PREVENÇÃO e de REPRESSÃO ao consumo de drogas são vitais porque enquanto se fecha uma boca de fumo, mais 10 são abertas, e não raro, no mesmo lugar.
 
Ana Carolina Asato Camargo em 12/02/2014 15:37:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions