A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

11/03/2013 09:11

Pais de jovens mortos alcançam 100 mil assinaturas contra impunidade

Viviane Oliveira
“A nossa luta contra o fim da impunidade será para o resto de nossas vidas, diz Lilian, mãe de Breno. (Foto: Vanderlei Aparecido). “A nossa luta contra o fim da impunidade será para o resto de nossas vidas", diz Lilian, mãe de Breno. (Foto: Vanderlei Aparecido).

Quase sete meses depois de perderem os filhos, assassinados no dia 20 de agosto do ano passado, as famílias dos estudantes Breno Luigi Silvestrini de Araújo e Leonardo Batista Fernandes atingiram mais de 100 mil assinaturas no movimento que pede o fim da impunidade e uma legislação mais rigorosa no Brasil. O número vai reforçar ação nacional que vai formalmente solicitar ao Congresso mudanças no Código Penal, como a ampliação da pena máxima no País, de 30 para 50 anos.

As famílias das vítimas pretendem entregar o abaixo-assinado colhido em todo Estado até o começo do mês que vem, tempo para reunir todas as adesões. O pai de Breno, Rubens Silvestrini, lembra que a contagem é dividida entre os apoiadores da campanha. Em mãos, ele tem 59 mil, mas com os demais colaboradores as assinaturas "já ultrapassaram 100 mil", reforça. 

Mas a missão não acaba aí. "A nossa luta contra o fim da impunidade será para o resto de nossas vidas. Depois das assinaturas, vamos lutar contra essa fronteira livre para que outras pessoas não percam a vida como os nossos filhos”, comenta a mãe, Lilian Silvestrini.

A intenção das famílias dos jovens é entregar pessoalmente as assinaturas para a deputada federal Keiko Ota (PSB-SP). Ela é mãe do menino Yves Ota, assassinado em 1997, aos oito anos, durante sequestro. Após o crime, ela realizou vários trabalhos no combate à violência e na defesa de penas mais duras para crimes contra a vida.

O objetivo da campanha, que faz parte de um movimento nacional, é recolher 100 mil de assinaturas no Estado e 1,5 milhão em todo País.

“Depois que já tivermos as assinaturas nós vamos entrar em contato com a deputada, que marcará uma reunião com o ministro da Justiça, José Roberto Cardozo, para a entrega do abaixo-assinado no Congresso Nacional, em Brasília”, disse Lilian.

Mesmo com a dor que não esvazia o peito, Ângela Iracema Batista Fernandes, mãe do Leonardo, diz que agora sabe que a morte dos jovens vai servir para algo. “A gente sempre vai cutucar e cobrar as autoridades. Além disso, queremos conscientizar a população da força que nós temos”, destaca.

Quem quiser aderir ao movimento, pode acessar o site www.pelofimdaimpunidade.com.br, e assinar. Para participar, basta preencher um formulário simples que pede nome, e-mail, número do RG, endereço, CEP, município e Estado.

“Para que nós possamos sobreviver, temos que pensar que eles não morreram em vão. Tem dia que não é fácil, a saudade é muito grande”, finaliza Lilian.

A campanha 'Pelo fim da impunidade' é realizada também pela Polícia Militar em todo Estado. "Temos que mudar esse código! Esses dias saiu em todos os noticiários uma mulher grávida em São Paulo que morreu com um tiro na cabeça durante assalto, o que mais revolta é que o bandido deveria estar preso, mas por um erro na Justiça estava em liberdade. Isso é um absurdo", avalia a mãe de Breno. 

O caso - Breno e Leonardo foram sequestrados logo após terem saído do Bar 21, no bairro Chácara Cachoeira. Os criminosos levaram os rapazes para a saída de Sidrolândia as margens da rodovia, onde os rapazes foram mortos. A caminhonete, uma Pajero de propriedade do pai de Leonardo, seria trocada por cocaína na Bolívia.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Parabéns a vitoria da Familia ter conseguido essas assinaturas,, o que esperamos quer todo esse esforço da familia nao seja em vão,,, esperamo MUDANCA nas Leis para esses crimes ediondos como foi esse crime Breno e Leonardo ,.,, nao fike no esquecimento,,,, que esses assassinos frio paguem pelo que cometeu,,,queremos justica ,,, Justica nao só para os assasinos ,,, mas sim tbem para traficantes que transportam drogas levam ate esse jovens trazendo essa destruição para ambas familias ..
 
Rosilene Carvalho em 11/03/2013 11:16:30
O nosso país é um país de criminosos com leis feitas por criminosos. Se a pessoa furta qualquer que seja o alimento para seus filhos é preso(cadê o Direitos Humanos?) na hora e sem direito a qualquer tipo de benefício, mas se cometer qualquer tipo de crime contra a vida tem todas as regalías que nem os cidadãos de bem possui(nesse aparece o Direitos Humanos, mas para o criminoso e as vítimas nada!) ou seja nosso sistema judiciário puni os mais corretos e gratifíca os piores. Nosso páis é uma vergonha internacional. Digo a estas duas familías vítimas não do criminoso que era para estar na rua, mas vítimas do sistema jurídico que divulgem em sites, tv e jornais internacionais, mandem e-mails para que o nosso sistem fique exposto e com a vergonha mudem!
 
Alexandre de Souza em 11/03/2013 10:45:21
Esse sistema judiciário brasileiro é uma porcaria. É comum uma mulher que rouba um shampoo ser presa por 2 anos e um bandido assassino responder pelo pior dos crimes em liberdade. Não tenho a menor esperança nesse país.
 
Paulo Silva em 11/03/2013 09:52:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions