ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Pais querem R$ 50 mil em indenização de pastor que deu ideia da “Casa Sophia”

Ação judicial tenta impedir que memória de criança morta seja usada para promoção política e religiosa

Por Anahi Zurutuza | 04/10/2023 20:20
Jean e Igor durante passeio com criança, assassinada em janeiro deste ano, conforme investigação policial (Foto: Reprodução das redes sociais)
Jean e Igor durante passeio com criança, assassinada em janeiro deste ano, conforme investigação policial (Foto: Reprodução das redes sociais)

Pegos de surpresa, pai de garotinha que morreu em janeiro deste ano, Jean Carlos Ocampo da Rosa, e o marido, Igor de Andrade, que é considerado pai afetivo da menina, foram à Justiça para exigir a imediata retirada do ar e impedir a circulação de material de campanha batizou de “Casa Sophia” abrigo mantido pela Prefeitura de Campo Grande. Os familiares não foram consultados sobre a “homenagem”.

A ação de obrigação de fazer tem no polo passivo o pastor evangélico Wilton Melo Acosta, presidente do conselho estadual de pastores e figurinha carimbada no meio político, site criado por ele e a Sebe (Sociedade Evangélica Beneficente), outra entidade dirigida por Acosta e que está envolvida na organização da Semana da Criança, em parceria com a administração municipal. Um dos eventos programados é justamente “inaugurar” a ampliação das atividades da unidade de acolhimento da Capital que ganharia o nome de “Casa Sophia”, com direito a material de divulgação pronto e tudo.

O pedido, feito através da advogada da família, Janice Andrade, é para que juiz fixe multa diária de R$ 2 mil caso o nome da criança continue sendo usado “para promoção pessoal, interferência político-religiosa e angariar recursos financeiros dos órgãos públicos a fim de minar a rede de proteção à criança e os adolescentes”.

Com o “estrago” já feito, uma vez que a ideia foi anunciada em evento público nesta semana, Jean e Igor querem ainda indenização de R$ 50 mil por danos morais.

Na ação, a defesa do casal argumenta que o Poder Público foi omisso em proteger a criança, que acabou morta no dia 26 de janeiro, segundo investigação policial e o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), após ser espancada pelo padrasto. Desconfiado que a filha vinha sofrendo maus-tratos, em 2022, o pai procurou o Conselho Tutelar pelo menos três vezes.

“É público e notório que ocorreu omissão sistêmica dos órgãos que compõe a rede de proteção à criança e adolescentes no caso Sophia, inclusive, do Conselho Tutelar e da Secretaria de Saúde do Município de Campo Grande”, diz o início da petição feita à Justiça, que acrescenta: “Importante informar o juízo que essas omissões contribuíram para o desfecho de assassinato e estupro da criança aos 2 anos e 7 meses de idade”.

Por isso, no entendimento da família, não há motivo agora para “prestar condolências”. “Diante desses absurdos expostos e pela grave violação de direito de imagem e do nome da filha, os autores buscam tutela jurisdicional do Estado para que os requeridos cessem de usar o nome e a imagem da criança em instituição ou evento religioso evangélico de cunho político sem autorização dos pais, assim como a reparar os danos morais causados pelo uso indevido do nome e imagem da filha assassinada em janeiro de 2023”.

A advogada alega ainda que não é porque a morte da garotinha ganhou repercussão que a pequena se tornou “coisa pública”.

A indenização, sob a ótica dos pais, servirá como desestímulo para que condutas como essa se repitam.

Logo divulgada na revista “Semana da Criança” disponível em site (Foto: Reprodução)
Logo divulgada na revista “Semana da Criança” disponível em site (Foto: Reprodução)

O anúncio – Durante o lançamento da programação da Semana da Criança, no fim da manhã de segunda-feira (2), a prefeita Adriane Lopes (PP), que também é ligada à comunidade evangélica, anunciou que “inaugurará”, na próxima terça-feira (10), o espaço para acolher meninos e meninas na Capital. Imediatamente, por meio da advogada, Jean e Igor oficiaram a prefeitura informando que não autorizavam o uso do nome e imagem da garotinha.

Cinco horas depois do anúncio, por meio da assessoria de imprensa, o Executivo municipal informou que Jean Ocampo não precisaria ir à Justiça. “A Prefeitura informa ainda que respeita o desejo da família e que irá acatar o pedido para que não seja usado o nome para a unidade”. Mas o material da campanha já circula divulgando a abertura da “Casa Sophia”.

A administração municipal não deu ainda detalhes sobre a inauguração. Informou apenas que não se trata de abertura de uma nova unidade de acolhimento em Campo Grande, mas a ampliação da “política pública de assistência dentro da Unidade de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes - Uaica 1”. O local já foi reinaugurado uma vez, em 2019, na gestão de Marquinhos Trad (PSD), quando Adriane ainda era vice-prefeita.

Por motivos de segurança, o local do abrigo não foi informado. Hoje, a casa acolhe crianças de 0 a 3 anos. Segundo informado pela prefeita, o espaço passará a receber vítimas com até 14 anos e 11 meses.

A morte – Na tarde do dia 26 de janeiro deste ano, a menina deu entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Bairro Coronel Antonino, no norte de Campo Grande, já sem vida. Inicialmente, a mãe, Stephanie de Jesus, 24, que foi até lá sozinha com a garota nos braços, sustentou versão de que ela havia passado mal, mas investigação médica encontrou lesões pelo corpo, além de constatar que a morte havia ocorrido cerca de quatro horas antes da chegada ao local.

O atestado de óbito apontou que a menininha morreu por sofrer trauma raquimedular na coluna cervical (nuca) e hemotórax bilateral (hemorragia e acúmulo de sangue entre os pulmões e a parede torácica). Exame necroscópico também mostrou que a criança sofria agressões há algum tempo e tinha ruptura cicatrizada do hímen – sinal de que sofreu violência sexual.

Para a investigação policial e o MP, a criança foi espancada até a morte pelo padrasto, Christian Campoçano Leitheim, 26, depois de uma vida recebendo "castigos" físicos, além de ser vítima de violência sexual. Ele responde por homicídio e estupro. Já a mãe da menina, pelo assassinato, como o Christian, mesmo que não tenha agredido a filha, mas porque, no entendimento do MP, ela se omitiu do dever de cuidar. No início deste mês, ambos também foram denunciados pelo crime de tortura.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias