ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Para adiar “quebra do silêncio”, réu por matar enteada revela senha de celular

Defesa pediu adiamento de interrogatório até ter acesso aos dados extraídos do aparelho

Por Anahi Zurutuza | 19/09/2023 16:42
Chegada de  Christian Campoçano Leitheim para um das audiências do caso (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Chegada de  Christian Campoçano Leitheim para um das audiências do caso (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

Oito meses após a morte da enteada, de 2 anos e 7 meses, Christian Campoçano Leitheim, 26, o padrasto acusado de assassinar a garotinha, decidiu “cooperar”. Por meio da defesa, ele revelou a senha para acesso ao celular que usava quando foi preso, apreendido pela Polícia Civil.

A revelação veio acompanhada do pedido de adiamento do interrogatório do réu, marcado para o próximo dia 28 de setembro. Advogados de Christian alegam que antes, precisam saber o que será encontrado no smartphone, que foi encaminhado para perícia no Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado).

“A defesa requer, caso não sejam disponibilizados/juntados os dados extraídos do aparelho celular do ora postulante em prazo razoável antes da data prevista para a audiência, seja ela redesignada, a fim de que o réu tenha tempo hábil a análise, tenha conhecimento de tudo que venha a depor contra ele, ou não, homenageando o princípio do contraditório e ampla defesa”, argumentam Pablo Gusmão, Willer Almeida e Renato Franco.

Na mesma petição, protocolada às 23h desta segunda-feira (19), os advogados requerem que o processo volte a tramitar em segredo de Justiça, invocando o “direito constitucional à intimidade” e também mencionando que a ação penal “envolve suposto crime sexual contra criança”.

Da direita para a esquerda, os celulares de Stephanie e Christian, apreendidos no dia 26 de janeiro (Foto: Reprodução dos autos do inquérito)  
Da direita para a esquerda, os celulares de Stephanie e Christian, apreendidos no dia 26 de janeiro (Foto: Reprodução dos autos do inquérito)

Perícia – Depois do insucesso das polícias científicas de Mato Grosso do Sul e do Paraná em extrair dados do celular de Christian, a Justiça repassou a missão para o Gaeco, braço do Ministério Público de Mato Grosso do Sul dotado de equipamentos de alta tecnologia. O MPMS formou força-tarefa de promotores para atuar na acusação contra o padrasto e a mãe da criança, Stephanie de Jesus da Silva, 24, ambos acusados de serem os responsáveis por crime que causou comoção e forte reação da sociedade.

O Instituto de Criminalística de Mato Grosso do Sul também não conseguiu recuperar as mensagens apagadas do celular de Stephanie, que forneceu a senha do aparelho ainda na delegacia, quando foi presa. O diálogo entre ela e o marido no dia da morte da criança foi usado no relatório da Polícia Civil como demonstração de que o casal tentou criar versão sobre o óbito da menina.

O juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, assumiu o caso após o juiz Carlos Alberto Garcete se declarar suspeito para julgar Christian e Stephanie. Em um das audiências do caso, ele teve desentendimento com defesa do padrasto da vítima e expulsou um dos advogados do plenário.

Assim que recebeu os autos, Pereira dos Santos decidiu colocar o processo para “andar”.  “No mais, fica mantida a data da audiência agendada para o dia 28 de setembro do fluente mês e ano. Isto porque assegura-se o regular retorno do andamento do processo evitando-se, sobretudo, demora na conclusão da instrução criminal, lembrando as partes, principalmente à assistente de acusação que o excesso de prazo abre frestas ao ingresso de habeas corpus pela defesa nas instâncias superiores (...) para obterem a liberdade até porque os crimes ocorreram em janeiro do fluente ano, avançando, portanto, a passos largos”, afirmou o juiz no despacho do dia 13 deste mês.

O crime – Na tarde do dia 26 de janeiro deste ano, a menina deu entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) do Bairro Coronel Antonino, no norte de Campo Grande, já sem vida. Inicialmente, a mãe, que foi até lá sozinha com a garota nos braços, sustentou versão de que ela havia passado mal, mas investigação médica encontrou lesões pelo corpo, além de constatar que a morte havia ocorrido cerca de quatro horas antes de chegar ao local.

O atestado de óbito apontou que a menininha morreu por sofrer trauma raquimedular na coluna cervical (nuca) e hemotórax bilateral (hemorragia e acúmulo de sangue entre os pulmões e a parede torácica). Exame necroscópico também mostrou que a criança sofria agressões há algum tempo e tinha ruptura cicatrizada do hímen – sinal de que sofreu violência sexual.

O padrasto responde pelo homicídio e pelo estupro. Já a mãe da menina, pelo assassinato, como o Christian, mesmo que não tenha agredido a filha, mas porque, no entendimento do MP, ela se omitiu do dever de cuidar.

Na delegacia, Christian optou por exercer o direito ao silêncio. Já Stephanie afirmou que o companheiro batia na filha como forma de correção, mas negou que ele tivesse espancado a enteada naquele dia. Ela alega que nunca denunciou por medo do marido, já que também era vítima de violência doméstica.

A morte jogou luz sob processo lento e longo que a menina protagonizou com idas frequentes à unidade de saúde, tentativa do pai em obter a guarda após suspeita de que a criança era vítima de agressão e provocou série de audiências públicas, protestos e mobilização para criação da Casa da Criança, bem como soluções ao falho sistema de proteção à criança e ao adolescente em todo o Brasil.

Nos siga no Google Notícias