A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

17/05/2014 09:24

Para atrair pediatras, Saúde precisa elevar salário em 5 vezes, diz sindicato

Lidiane Kober

Para atrair pediatras à rede de saúde pública e acabar com o drama de mães que peregrinam pela cidade atrás de atendimento aos filhos, a Prefeitura de Campo Grande precisa elevar em quase cinco vezes o salário dos profissionais, além de melhorar as condições de trabalho. A dica é do Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul.

Pela terceira vez consecutiva, administração municipal não conseguiu preencher as vagas e precisou prorrogar concurso para contratar 120 pediatras, 19 ginecologistas e 80 clínicos gerais. Como sempre, o maior obstáculo é encontrar profissionais para atender o público infantil.

“Criança não é igual adulto, criança não fala, é um atendimento diferenciado. É necessário fazer exames, ter condições mínimas de trabalho e remuneração adequada”, frisou o presidente do sindicato, Valdir Shigueiro Siroma.

Segundo ele, hoje, a prefeitura paga R$ 2.371,00 por jornada de 20 horas semanais. “Conforme a Federação Nacional dos Médicos, que coordena todos os sindicatos, o piso é de R$ 10.999,19 para 20 horas”, informou.

Ao mesmo tempo, a administração municipal desembolsa R$ 64,63 por hora trabalhada de plantão, enquanto a rede privada paga de R$ 80 a R$ 120.

“A medicina é o de maior durabilidade, são seis anos, mais dois a cinco anos de especialização, fora isso, tem a parte da atualização. Então, não tem outro caminho a não ser pagar melhor”, frisou Siroma.

Ele, porém, ressaltou que não basta só isso. “Reivindicamos melhores condições de trabalho na rede pública, hoje, o grande problema é falta de infraestrutura”, comentou. “Muitos profissionais deixam de atuar por não querer levar processo nas costas”, emendou, fazendo menção a problemas que ocorrem devido à falta de estrutura.

Secretário municipal de Saúde, Jamal Salém admite que o “salário não é atrativo”, mas inclui o déficit de pediatras como outra explicação para a baixa procura do concurso. “Pediatria é deficiência em todo o Estado”, afirmou.

Por outro lado, o presidente do sindicato afirmou que Mato Grosso do Sul não enfrenta tal problema. “O último dado estatístico aponta que a média nacional é de 1,8 mil médico para mil habitantes, no Estado temos quase 2 para cada mil”, rebateu Siroma.

Apesar das controvérsias, a secretaria e sindicato vêm trabalhando juntos para encontrar um caminho a fim de sanar o impasse. O secretário estuda uma diferenciação salarial para tornar a rede pública atrativa para os médicos e preencher o quadro.

Jamal afirmou que a prefeitura pode firmar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o MPE (Ministério Público Estadual) para elevar a remuneração e, ao mesmo tempo, evitar problemas com o TCE (Tribunal de Contas do Estado). Ele também sinaliza atender o pleito da categoria e aprovar plano de cargo e carreira.

Pela 3ª vez, Prefeitura prorroga seleção de médicos e "afrouxa" plantões
Com a falta de profissionais nos postos de saúde de Campo Grande, a prefeitura prorrogou hoje (29) o prazo de inscrições para inscrição no processo s...
Sem profissionais, Prefeitura tenta, de novo, contratar 258 médicos
Com a falta de profissionais nos postos de saúde da Capital, a Prefeitura de Campo Grande lançou, nesta quinta-feira (24), o edital para contratar 25...


Os políticos não fazem nada e ganham rios de dinheiro, deveria reduzir o salário deles e pagar melhor os profissionais da saúde.
 
Laura Vicente em 17/05/2014 11:47:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions