A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

22/05/2013 19:05

Para ser medicada em posto, mulher tem de comprar remédio

Viviane Oliveira
Com a receita em mãos, Zenilda diz que de três remédios que a rede de saúde fornece, apenas um tinha na unidade.
(Foto: João Garrigó)Com a receita em mãos, Zenilda diz que de três remédios que a rede de saúde fornece, apenas um tinha na unidade. (Foto: João Garrigó)

Com fortes dores na coluna, a copeira Zenilda de Oliveira Gumercindo, de 41 anos, procurou o posto de saúde do Nova Bahia na última sexta-feira (18). Ela disse que ao passar por atendimento médico foi informada que precisava tomar uma injeção na veia com dois medicamentos, diclofenaco e dipirona, mas para isso teria que comprar, porque na unidade só havia um deles.

A falta de medicamentos continua sendo um grande problema para a população que depende dos remédios gratuitos na rede municipal de saúde. No dia 6 de maio dois caminhões com os produtos foram entregues e mais 20 são aguardados pela Sesau (Secretária Municipal de Saúde), mas até agora a situação não foi resolvida.

Zenilda conta que foi levada as pressas para o posto porque estava com a coluna "travada". Lá, recebeu atendimento e na hora de passar à receita a médica disse: “Eu vou te medicar, mas para isso você vai ter que comprar”, reclama a copeira, dizendo que não conseguia se mexer de tanta dor.

Segundo a copeira, como não tinha dinheiro para comprar o diclofenaco acabou sendo medicada com o que havia no posto. “É um absurdo. Além do remédio, faltava álcool para o funcionário fazer a limpeza do local, antes de aplicar a injeção”, reclama

Na segunda-feira (20), Zenilda foi ao posto de novo. Dessa vez para levar a filha Stefani Kamila Santos, de 16 anos, que sofre de infecção urinária. Durante a consulta, a família já foi avisada de que na unidade não havia a medicação e teria que comprar e voltar no posto para ser medicada.

“Ainda esta semana minha vizinha me pediu dinheiro emprestado para comprar remédio para diabetes, que o posto de saúde fornecia, mas que hoje está em falta”, finaliza.

Segundo Alcides Bernal (PP), a demora na compra, iniciada em 25 de janeiro, foi para atender as normas que regem os processos licitatórios. “Faltava medicamento desde setembro do ano passado. Em novembro, tivemos acesso a um relatório descritivo. A equipe foi fazer o relatório físico e não bateu. Descobri que não ia dar o medicamento”, diz.

Conforme a assessoria de imprensa da Sesau, o restante dos medicamentos comprados deve chegar ainda este mês. 

Sesau atrasa entrega de remédios doados pelo Estado aos postos
Os medicamentos doados na sexta-feira (26) pelo Governo do Estado à Prefeitura Municipal de Campo Grande ainda não foram distribuídos aos postos de s...
Eventos de Natal, inauguração de igreja e obras interditam 9 ruas na Capital
A Agetran (Agência Municial de Transporte e Trânsito) informa que pelo menos 9 ruas terão o tráfego impedido neste domingo (17) em Campo Grande. O fe...


Tai uma situação que não dá pra entender, então quer dizer que a foto que colocaram outro dia nos jornais de medicamentos chegando em C.Grande, foi so pra ingles ver ?
 
Lizeti Aparecida Zanineli em 23/05/2013 09:17:08
É ISSO AI POPULAÇÃO, AGUENTA FIRME QUEM ESPERA SEMPRE ALCANÇA!!! ENQUANTO ISSO VAMOS VIVENDO COM ESSE DESCASO POR PARTE DE NOSSOS GOVERNANTES!!! ATE O DIA Q DEUS QUISER!!!!!!
 
CRIS. ALVES em 23/05/2013 09:01:32
Isso é uma vergonha.
 
Juliana Zanoni Chefer em 23/05/2013 08:51:12
O sistema público deveria aderir à homeopatia , em moldes de hospitais públicos e postos de saúde no estado de Goiás.
 
arnaldo saracho em 23/05/2013 08:37:20
A precariedade da rede de saúde é geral..
Ontem, meu cunhado passando muito mal com crise renal, precisou comprar ampola para fazer um exame no posto de saúde da vila Almeida, e até agora está lá com muitas dores pque NÃO TEM MEDICAMENTO, está esperando mudar o plantão para que o médico receite um novo remédio para ser SER COMPRADO, visto que o anterior não foi encontrado nas farmácias. Completo absurdo!!
 
Katia Nogueira em 23/05/2013 08:00:37
E O B E R N A L ?????????????
 
Alicio Mendes em 23/05/2013 07:25:15
Também com a roubalheira que o PMDB desde os tempos do carcamano promoveu na prefeitura acho um milagre ainda ter algum tipo de remédio nos postos de saúde.
 
Carlos Roberto em 23/05/2013 07:21:56
POR FAVOR MPF, E TCE FAÇAM ALGUMA COISA POR NOSSA CIDADE , CASO CONTRARIO VAI FICAR PIOR DOQUE ALGUNS PAIZES DA AFRICA, , ONDE A POPULAÇÃO ESTA MUITO AFETADA NA POPRESA, POR FAVOR VAMOS MUDAR CAMPO GRANDE MAIS PARA MELHOR OU COMO ESTAVA JÁ ERA BOM, AGORA VIROU UM CAOS, UM HORROR, ESTREMO FIM, FORA BERNAL FORA
 
ely monteiro em 23/05/2013 06:00:21
É VERDADE, EU PASSEI POR ISSO, RECENTEMENTE, NO POSTO DE SAÚDE DAS MORENINHAS. É FATO. CADÊ O SLOGAN "AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR"?
 
MARIVALDO ABDIAS em 23/05/2013 00:49:33
É um absurdo, descaso com população. O pior é a falta de atendimento de Ortopedia que não tem nos postos. E obrigam os pacientes machucados se dirigirem ao CEM para passar por avaliação especializada. Como se não fosse fácil a locomoção, ainda é preciso ter que sair de meios próprios para um local distante.
E para piorar o local fecha a meia noite, porque o prefeito ou secretario acha que ninguém merece atendimento apos esse horário.
 
Julio Roberto Nunes Junior em 22/05/2013 20:55:44
Incompetência total da administração municipal!!!
Sr. Bernal, Sr. Ivandro, isso é uma vergonha!!!
Praticamente cinco meses de gestão e não conseguiram "sair do outro lado"...
 
Carlos Prates em 22/05/2013 19:41:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions