ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Para vizinhos, jovem executado após sequestro era tranquilo e trabalhador

O corpo foi encontrado na noite de ontem (11), em estrada vicinal, próximo à Avenida Gury Marques

Geisy Garnes e Bruna Marques | 12/08/2021 11:24
Ailton foi levado de dentro de casa, na comunidade Só por Deus, pelos bandidos. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ailton foi levado de dentro de casa, na comunidade Só por Deus, pelos bandidos. (Foto: Henrique Kawaminami)

A morte de Ailton Franco da Silva, de 24 anos, pegou os moradores da comunidade “Só por Deus” de surpresa. Para quem convivia com o jovem, a história de sequestro e execução destoa a figura de trabalhador que costumavam ver todos os dias. Ainda assim, o corpo foi encontrado na noite de ontem (11), em estrada vicinal, próximo à Avenida Gury Marques, com várias perfurações de tiro.

Ailton morava com a mulher e o filho de 5 anos em um dos barracos da comunidade, no Jardim Centro-Oeste. Na madrugada de terça-feira (10), foi surpreendido por falsos policiais armados com metralhadora, colocado em um Fiat Palio e afastado da família.

Ailton Franco da Silva, de 24 anos, em momento de lazer. (Foto: Arquivo pessoal)
Ailton Franco da Silva, de 24 anos, em momento de lazer. (Foto: Arquivo pessoal)

Para os vizinhos, o crime assusta não só pela crueldade, mas também pelo alvo dos bandidos ser uma pessoa considerada tranquila e caseira. Ao Campo Grande News, uma das vizinhas, de 22 anos, que já foi namorada do cunhado de Ailton, descreveu o rapaz como uma pessoa tranquila e trabalhadora. “Ele trabalhava em um lava-jato. Só se reunia com a família, não vinha ninguém estranho aqui”.

Vizinha da família há sete anos, uma operadora de caixa de 32 anos se diz chocada com o crime. “A casa deles sempre foi muito tranquila, fiquei chocada com a notícia. Só víamos ele saindo e voltando do trabalho”, lamentou.

Nesta manhã, a casa de onde o rapaz foi arrancado pelos bandidos amanheceu vazia. Abaladas, nem a mãe de Ailton, nem a esposa, quiseram falar sobre o crime. Agora, cuidam do detalhes para o sepultamento, que deve acontecer na tarde de hoje.

Investigações – Enquanto isso, a DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio) investiga o assassinato brutal de Ailton. Além de ser sequestrado, ele foi atingido por mais de 20 tiros de pistola 9 milímetros. Até o momento, não há qualquer indício de envolvimento do rapaz com o crime.

Conforme apurado pela reportagem, na Justiça, Ailton responde apenas a um processo de “arrebatamento de preso”, consequência de uma confusão no Jardim Canguru, em 2015. Consta na denúncia, que em setembro daquele ano, ele e outros moradores do bairro tentaram linchar o autor de um furto.

Para fazer isso, no entanto, tentaram “tomar” o suspeito das mãos da polícia e desacataram guardas municipais. Além disso, Ailton tem algumas passagens pela polícia ainda quando adolescente por: dirigir sem carteira, ameaças, vias de fato e furto. Depois de adulto, ainda foi indiciado por direção perigosa e uma ameaça.

A denúncia – A família do rapaz havia registrado o sumiço do jovem, na tarde de ontem (10), após três pessoas de colete, fortemente armadas e com máscara cobrindo o rosto, se passarem por policiais para "prender" a vítima.

Corpo foi encontrado em estrada vicinal, próximo a MS-035. (Foto: Kísie Ainoã)
Corpo foi encontrado em estrada vicinal, próximo a MS-035. (Foto: Kísie Ainoã)

Segundo a família, enquanto um dos suspeitos aguardava em carro modelo Fiat Pálio, duas pessoas desceram e anunciaram a prisão do jovem por tráfico de drogas. A mãe do jovem só ficou sabendo da "prisão" do filho momentos depois, pela sogra da vítima.

Ao registrar o desaparecimento do filho, a mulher ainda revelou que a nora tentou seguir o carro que levou o homem, mas perdeu os suspeitos de vista na região do Bairro Paulo Coelho Machado.

Nos siga no Google Notícias