A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

27/11/2015 17:15

PF constata fraude em consórcio e não vê R$ 50 mi em capital social

Edivaldo Bitencourt
Perícia da PF vê fraude na formação de consórcio da Solurb (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Perícia da PF vê fraude na formação de consórcio da Solurb (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Perícia da Polícia Federal concluiu que as empresas LD Construções e Financial Construção fraudaram o capital social para formar o Consórcio CG Solurb. Peritos constataram que o grupo não tinha o capital social mínimo, de R$ 53,8 milhões, para participar da licitação bilionária do lixo em Campo Grande em 2012. Eles constaram que houve acréscimo indevido de R$ 50,2 milhões.

A constatação é da investigação conduzida pelo delegado Marcos André Araújo Damato, responsável pela Operação Lama Asfáltica. O laudo foi elaborado pelo chefe da perícia criminal da PF, Everaldo Gomes Parangala.

Os peritos concluíram que o capital social do consórcio era de R$ 3,598 milhões, ou seja, 6,6% do mínimo exigido para participar da licitação, que previa faturamento de R$ 1,8 bilhão em 25 anos. O consórcio foi declarado vencedor do certame na gestão de Nelsinho Trad.

O laudo apontou que houve “superfaturamento” do capital social das empresas participantes. A LD Construções apresentou capital social de R$ 39,2 milhões. No entanto, os peritos concluíram que a empresa de Lucas e Luciano Poltrick Dolzan só tem capital de R$ 15,2 milhões. Ou seja, eles adicionaram ao capital R$ 24 milhões, que não foram encontrados pelos peritos.

A Financial, do empresário Antonio Fernando Araújo Garcia, foi ainda pior. A companhia alegou ter capital de R$ 75 milhões, mas a perícia constatou que o patrimônio social é de apenas R$ 17,9 milhões.

Já o consórcio, formado para assumir a coleta de lixo, não comprovou R$ 50 milhões de patrimônio. Os peritos constataram que só R$ 3.598.000,00 estava em nome da Solurb, contra R$ 53,8 milhões apresentado no certame.
A Solurb é uma das empresas investigadas na Operação Lama Asfáltica, desencadeada pela PF em 9 de julho deste ano.[

Antes de concluir a Operação Lama Asfáltica, segundo a PF, esta parte da documentação já será encaminhada à Prefeitura Municipal de Campo Grande para anular a licitação do lixo. Como a construção do aterro teve dinheiro do Governo federal, a Controladoria Geral da União também elaborou laudos, que serão encaminhados ao prefeito Alcides Bernal para adotar as medidas.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions