A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

17/11/2011 11:48

Polêmico, veto a consumo de bebidas em ruas e postos esquenta debate

Aline dos Santos e Paula Maciulevicius

Comerciantes temem prejuízo; enquanto vizinhos sonham com o fim de tumulto

Lei cria zonas de exclusão para consumo de bebida alcoólica. (Foto: João Garrigó)Lei cria zonas de exclusão para consumo de bebida alcoólica. (Foto: João Garrigó)
Fernando reclama que clientes desrespeitam aviso e bebem em conveniência. (Foto: João Garigó)Fernando reclama que clientes desrespeitam aviso e bebem em conveniência. (Foto: João Garigó)

Prometendo muito polêmica e sob risco de pouca utilidade, o projeto de lei que cria zonas de exclusão para o consumo de bebida alcoólica esquenta o debate pelas ruas de Campo Grande.

Depois de dois anos na gaveta, a proposta inicial de proibir a ingestão de bebida, e a consequente algazarra, nas dependências dos postos de combustíveis alçou voo e cogita vetar também o consumo de bebida alcoólica em conveniência, ruas e praças. O projeto também pune o comerciante que não denunciar a situação à PM (Polícia Militar).

Os contrários à iniciativa, justificam que a situação já é alvo de fiscalização, em rotineiras operações contra o som alto (poluição sonora) e perturbação do sossego público.

Dono de conveniência na avenida Manoel da Costa Lima, o estudante de Direito Fernando da Silva, de 22 anos, convive no dia a dia com os prejuízos da confusão. “Quem fica não dá lucro, atrapalha com som alto e só queima o estabelecimento. A venda boa, que é para quem vai levar para beber em casa, acaba não acontecendo”, reclama.

Pintado na parede, o aviso de que é proibido o consumo de bebida no local acaba sendo solenemente ignorado pelos “senhores clientes”. “O pessoal não está nem aí. Leva um tempo para chegar a um determinado patamar das pessoas respeitarem”, afirma. Na mesma avenida, no bairro Piratininga, as conveniências são palcos para danças provocativas.

Proprietário de uma conveniência na avenida Via Parque, Justino Triches, de 52 anos, relata que já chama a polícia. O estabelecimento fica localizado em frente a um terreno vazio, espaço ideal para o que o projeto de lei considera algazarra.

“O que tem que fiscalizar são eles, não o bar. A polícia a gente chama um monte de vezes porque não dá para aguentar a barulheira”. Justino teme que o projeto resulte em perdas para os comerciantes. “Não é o bar que tem culpa, é? O que vai ser das lanchonetes sem bebida? Fechar significa desempregar gente”, diz.

Medo - Vizinhos ao comércio de bebidas, os moradores aprovam a proposta e esperam que o projeto dê fim à algazarra nas portas das conveniências. “A lei vai diminuir bem o movimento, que é terrível. E não é só aqui, mas em qualquer lugar que exista aglomeração de pessoas. Às vezes você quer ir à conveniência para comprar outra coisa, mas não consegue pelo tumulto, fica até com medo”, conta Israel Espíndola.

Da mesma opinião é o aposentado Olavo Oliveira, de 75 anos. “É uma boa porque onde tem bebida, tem movimentação, é dali que sai confusão. Se fosse até 22h, tudo bem, mas tem conveniência que fica a noite toda e com som alto”, avalia.

Absurdo - O vereador Lídio Lopes (PP), que compartilha a autoria do projeto com Paulo Siufi (PMDB), defende que a aprovação do projeto contribui ao incluir no Código de Polícia Administrativa do Município os locais proibidos. O projeto também pune com multa e medidas administrativas o comerciante que não alertar a PM de confusão diante do estabelecimento. “Ele deverá apresentar o numero do protocolo de ligação para o 190”, explica.

O parlamentar avalia que a nova legislação vai evitar absurdos como as imagens em uma conveniência na avenida Manoel da Costa Lima. “Mulheres desfilando seminuas, tirando a calcinha”, afirma. Além de reduzir a epidemia da violência no trânsito. A proibição de dirigir sob efeito de álcool está em vigor no país desde 2008.

O projeto não muda o agente fiscalizador. “Se aprovado, a prefeitura vai firmar um convênio com a Sejusp [Secretaria de Justiça e Segurança Pública]. No entanto, não fica claro sobre quais critérios serão adotados para o enquadramento como algazarra nem o número necessário de participantes para caracterizar a situação.

Olavo reclama do som alto em conveniências. (Foto: João Garrigó)Olavo reclama do som alto em conveniências. (Foto: João Garrigó)

Alvos - Segundo o comandante do Policiamento Metropolitano, coronel Sebastião Henrique Bueno, a PM realiza operações em postos e conveniências entre a noite de quinta-feira e a madrugada de segunda. As denúncias também chegam via 190. A ação é realizada em parceria com a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente), que verifica a poluição sonora e se a conveniência tem alvará especial para funcionar durante a madrugada.

Já a perturbação do sossego é classificada como contravenção penal, crime com menor potencial ofensivo. De acordo com o coronel, as últimas operações já mostraram resultado, com a redução das aglomerações nos locais vistoriados.

Amanhã, o projeto será discutido a partir das 9h na Câmara Municipal de Campo Grande.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Não concordo com essa de parar com o barulho nas conveniencias. os velhos incomodados q mudem do local. pq em conveniencia e o point de encontros das mulheradas q saem pra curtir.. se acabar com as bebeidas e o sosn nas conveniencias onde vou ver os brotinhos final de semana.? gente pensem na gente .......os adolecentes q serão o futuro do nosso país..
 
rodrigo thiago freitas em 22/11/2011 01:01:09
um carro no no posto,coloca combustivel para sair passear,trabalhar===um motorista no posto,abastece o carro e toma algumas doses,para sair provocar confusão,e acidentes,
Posto de combustivel não é lugar para bebidas.
 
Lucas da Silva em 18/11/2011 11:25:37
quando eu éra pequena ,as mulheres que não se comportavam com respeito,adquiriam"a força" uma ficha na policia como prostituta seu nome ficaria manchado pelo resto da vida e muitas tinham medo,hoje se ve meninas novas se comportando indecentemente,com procedimentos horriveis e nem os pais tomam conhecimento,não tem mais autoridades com as filhas,por isso o mundo esta assim!é o apocalipse mesmo.
 
Roselina Correia em 18/11/2011 11:19:43
Saude, transporte, segurança, trânsito que está um caos na capital e Educação são essas as principais preocupações de todos os contribuintes e cidadãos campograndense, pq enquanto isso ha bairros sem asfalto, ha gente morando na rua, ha idoso morrendo em porta de hospitais, ha mulheres sendo assedioda dentro de coletivos, ha assaltos a luz do dia, ha acidentes de transito por má sinalização.
 
DENILSON CARDOSO em 18/11/2011 10:33:32
agora complementando um comentário, sobre democracia;
BADERNA, PERTURBAR A PAZ, ALGAZARRA, GENTE ALCOOLIZADA NA RUA FAZENDO BESTEIRA, ISSO NÃO TEM NADA DE DEMOCRACIA.
leiam o que é democracia antes de comentar, estão confundindo fazer o que quer com democracia.
se chegou ao ponto de se pensar em proibir, é porque deixou de ser algo que não afete a sociedade.
 
marcel nobre em 18/11/2011 09:53:46
o principio de tudo é que infelizmente as pessoas nao saber viver em sociedade, dizer que tem gente que não abusa seria sinismo vemos isso todo o tempo na rua, infelizmente existem pessoas que nao sabem o limite da diversão para BADERNA, desordem. se houvesse mais respeito com certeza nao estavamos com esse tipo de situação. agora ditadura??? olha desculpe mas se num sabe o que foi a ditadura.
 
marcel nobre em 18/11/2011 09:46:37
vai ser mais uma lei so pra ficar no papel pois no brasil e assim mesmo ninguem

cumpre lei.
 
luiz viana em 18/11/2011 09:44:28
Desnecessário, o Estado por si só já produz ferramentas juridicas o suficiente para coibir e punir os excessos, o que é necessário fazer seria capacitar melhor os policiais, intensificar rondas a pé, cavalo, de bicicleta, dotar as grades curriculares nas escolas de base de matérias sobre cidadania e comportamento com notas de caratér eliminatório. Que tal educarmos as crianças de hoje?
 
CLAUDIO MOREIRA em 18/11/2011 09:04:19
Só quem tém um "inferno" desses próximo de casa, é que sabe o que tém que aguentar de bébados, drogados, prostitutas e tudo o que não presta que se irmanam sob as bençãos da impunidade, ligam os equipamentos de som em altíssimos volumes, e os moradores da região que liguem, para o 190 imaginando que seriam atendidos. É preciso ação enérgica e disciplinar o horário de funcionamento desses "butecos"
 
valter oliveira em 18/11/2011 08:58:32
Essa lei nao vai adiantar, isso nao impede d rolar som em alguns estabelecimentos. A bebida pode nao ser vendida em bares e outros lugares mais como pode ser vendidas em outras conveniencias e vao para outro lugar fazer a bagunça. I esse pessoal ai em cima vivem reclamando, mais é os próprios filhos, netos e parentes deles que vivem juntos, os filhos deles não fazem isso, so os filhos dos outros.
 
Rebeca Silva em 18/11/2011 08:52:04
Tem que acabar com a falta de moral nesses casos: Calçada não lugar de bebida, sem contar que incentiva a menores que ver isso a fazer também. Os Bons costumes e a moral tem que prevalecer. A bebida alcólica é o incentivo a todos os males, acidentes, brigas, contendas e outras desgraça com a Vida.
 
luiz alves pereira em 18/11/2011 08:40:27
O projeto de lei se for aprovado vai ser muito bom para coibir as algazaras nos pontos onde vendem bebidas alcólicas. Essa proibição está de acordo com Estado Democrático de Direito. Os frequentadores desses pontos, tem que resepitar o direitos das pessoas que laboram o dia inteiro e quer ter a tranquilidade nas suas residencias para o repouso noturno. A liberdade indidual está preservada.
 
Salvdor Zeferino da Silva em 18/11/2011 01:50:18
As algazarras são caso de polícia. As leis já existem para serem cumpridas e se não são é por falta de fiscalização. Vê se alguém bebe e dirige no Rio de Janeiro; não, lá existe blitze a todo instante.
Essa proibição não reduzirá número de acidentes, nem qualquer outra desculpa que estão dando para aprová-la, quem quiser beber continuará fazendo.
vamos ser se meu comentário será publicado...
 
Alexandre Silva em 17/11/2011 12:25:52
olha tem gente morrendo nos postos de saude,e não vejo os nobres vereadores fazendo leis para melhorar o atendimento dos postos de saude
 
paulo escobar em 17/11/2011 10:19:55
Bom p/ que acha que a bebia faz tão bem, pq q as próprias propagandas orienta sobre suas consequencias??? e pra que acha que se não qser barulho vai morar na fazenda, se quer baixaria, bebedice e mto barulho vai morar no inferno, já está passando da hora de colocar um baste nisso, tem que proibir mesmo e prender que não cumpri a lei....
 
Sebastião Silveira em 17/11/2011 09:42:10
eu sou trabalhador, particularmente gosto de tomar uma cervejinha antes de voltar pra casa pra relaxar, pago os impostos cobrados, será que vou ter que pagar mais um imposto pra tomar uma cerveja que seja no posto de combustível ou numa conveniencia?
 
felisberto silva preto em 17/11/2011 09:22:35
Estão transferindo para os comerciantes um problema que é de Segurança Pública. Donos de conveniência não têm como fiscalizar as pessoas que estão fora de seu estabelecimento, em via pública, fazendo algazarras e perturbando o sossego alheio. Isso é serviço da PM e do DEOPS. Que se coloque mais efetivo nas ruas, que isso seria facilmente evitado.
 
Carlos de Moraes em 17/11/2011 09:20:53
e os pequenos bares, aquelas pessoas que ficam tomando pinga o dia inteiro, o carnaval, Senhores Vereadores, essa Lei que vocês querem criar e Inconstitucional, vivemos num pais democrático, baderna, arruação e problema de Segurança Pública (POLICIA)
 
stella medeiros em 17/11/2011 09:20:19
Concordo que deve ser cortada a bebída.
Quem não quer isso é porque não deseja uma sociedade ao menos mais justa.
E para as pessoas que dizem que há outros problemas para serem resolvidos eu digo:
É cortando esse que evita outros piores.
 
Johnny Daniel em 17/11/2011 09:08:32
Tá ótimo essa Lei, demorou pra chegar, só no meu bairro tem uns 3 pontos de bebuns, o camarada se quiser encher o rabo de cachaça tem esse direito, só que ele deve pegar a pinga dele e ir beber na casa dele. Tem que acabar essa bagunça na cidade, quantas pessoas mais é preciso morrer, ops, desculpe, bêbados não entendem nada, só o rigor da lei.
 
Rudi Carlos em 17/11/2011 08:07:46
Isso se chama Brasil, com tanta coisa para se resolver de extrema urgencia, querem discurtir a proibição de bebidas alcoolicas nas ruas e postos de combustiveis...

Vão discutir os salarios dos professores, vao discutir uma saude melhor pra população, moradia, asfalto..... simplismente uma vergonha isso......
 
José Luis em 17/11/2011 07:38:17
Concordo plenamente com a Lei, tenho certeza que as pessoas que aqui comentaram não moram perto de um aglomerado com gente bebendo sem parar, dançando nu e com cenas sensuais, fora que pra conseguir dormir temos que esperar dar 4 da manhã, moro perto do aeroporto, onde os finais de semana estão ficando insuportaveis, e a policia faz blitz constantes, fica aqui minha indignação e apoio aos veradore
 
Rodrigo M. Abreu em 17/11/2011 07:20:32
é dificil de imaginar uma pessoa defendendo essa algazrra que se tornou as conveniencias .so quem passa pela situação é que sabe como é dificil conviver com isso .é uma FALTA DE VERGONHA vc ter de ouvir as músicas que eles tocam,só surdo pra não ficar constrangido com as letras das tal mùsicas se é que se pode chamar aquilo de mùsica.a dedmocracia vale para todos né, senhor paulo
 
solange meire em 17/11/2011 06:47:51
Sim vamos proibir tudo!o cidadão de beber a sua cerveja,de sair de casa para si divertir,vamos proibir tudo que não seja para pagar impostos.afinal se não pagarmos impostos como e que eles vão receber seus salários.Senhores vereadores porque vocês não fazem leis que realmente vão trazer benefícios para população de campo grande.

 
luiz carlos aruda em 17/11/2011 06:45:21
Essa conversa toda só porque apareceu na televisão. Tanto problema mais importante pra se resolver pela cidade. Ficam ai com essa hipocrisia. Chamar quem bebe de desocupado é no mínimo falta de utilizar o cérebro pra algo útil senão acompanhar a vida alheia. Eu não bebo em posto ou em conveniência, mas me utilizo desses comércios quando faço ou vou à festas e não faço bagunça pra isso.

 
larissa silva em 17/11/2011 06:41:12
Ah sim. Então quer dizer que os que tomam a sua cerveja responsavelmente, pegam um taxi para voltar para casa (como foi solicitado antes e depois da lei seca), vão ter q pagar pelos irresponsáveis?
O grande problema do Brasil é esse. As leis são feitas para os cidadãos de bem. Não são feitas para punir os infratores.
É muita mais facil mulltar, prender e proibir uma pessoa que anda na linha.

 
valdenira soares em 17/11/2011 06:40:14
Esse projeto é sem pé nem cabeça... como proibir a venda de bebidas nas ruas da Capital... e as pessoas que bebem e não dirijam??? O certo é a Lei Seca, que proibe o motorista de enjerir bebida alcoólica antes de dirigir. Agora, proibir o comercio da bebida é exagero

 
marcio cabral em 17/11/2011 06:38:48
o Alexandre Silva tá certo, blitz aqui é só para pegar motoqueiro, os bebuns de carro passam e vão embora, acho que a policia tem medo de ser parente de politico, sei lá... é triste e dai colocam a culpa dos acidentes nos motociclistas e não em quem passa em cima deles.
 
MAXIMILIANO NAHAS em 17/11/2011 06:37:34
Simplismente RIDÍCULO... que proibam o uso de som, bagunças e tal...mais essa de proibir o consumo de bebida..aff e como ficam os bares, como Miça, a Cerv Ja que e nada mais que uma conveniência...

 
rafael moura em 17/11/2011 06:35:37
Proibir o consumo de bebida alcóolica em postos de gasolina resolverá o problema dos acidentes no trânsito e da pertubação da ordem devido a aglomeração de pessoas nos postos? Sinceramente digo que não. É mais uma lei que não resolve o problema em sua raiz causal. Outro grande problema é a mistura de política e religião. Senhores preocupem-se com os reais problemas de CGR.

 
marcelo yagata em 17/11/2011 06:34:16
Boa tarde,

Só o Veto não resolveria o problema, ou podemos dizer vários problemas. Os senhores vereadores poderiam elaborar melhor o projeto. Algo que fique bom para a população e para os comerciantes. O interessante que quando vai se aproximando de ano eleitoral os senhores políticos intensificam a colocar em prática projetos que geralmente não leva nenhum benefício a população.
 
Uilder Martins em 17/11/2011 06:32:47
Tem gente que acha que agora tudo pode porque o Brasil viveu uma época de ditadura, isto já acabou faz tempo. Se fossemos pensar em tudo que dá emprego, liberdade etc., a cidade seria uma terra de ninguém.
 
João Crisóstomo de Campo Grande - MS em 17/11/2011 06:07:44
Art. 42 da Lei das Contravenções Penais:
Perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios:
I - com gritaria ou algazarra; (...)
III - abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos(...)

Pronto! A lei está ai. Não há necessidade de uma nova norma. O que deve haver é uma maior fiscalização e aplicação do poder coercitivo da lei por parte do Poder Estatal!


 
Janelson Ferreira em 17/11/2011 06:06:41
acho tambem que os nobres vereadores de campo grande deveriam recriar a lei do toque de recolher assim acabaria de ves, com a democràcia existente no nosso pais, o cidadao de bem nao tem direito a fazer mais nada mesmo, nao podemos mais fazer nada mesmo, so temos, o direito de trabalhar , trabalhar para recolher a pesada carga tributaria municipal , para que os nobres edis, recebam sues salarios.
 
paulo scaffa em 17/11/2011 05:57:32
Valdenira:
Ninguém vai lhe proibir de usar short e de viver a sua vida, desde que você não agrida o direito dos outros com suas supostas liberdades.
Se você morasse perto dessas bandalheiras, queria ver se apareceria com o seu discurso de Estado Democrático de Direito, se esquecendo do princípio básico dele: O BEM ESTAR COLETIVO.

Conveniência agora ficou foco de gente inconveniente.
 
Maria Eduarda Amorim em 17/11/2011 04:58:47
Liberdade individual é eu poder dormir na hora que eu quiser dormir, não as 6 da manhã.
 
Endrigo Zotelli em 17/11/2011 04:15:15
Será que nossa constituição permitirá que esta lei entre em vigor,nosso país é um estado democrático de direito, acho muito desagradavel sertos parlamentares ficar criando espectativas de tantas leis só para aparer na midía,vejo estas demagogias, sinto que nossos representantes não respeita quem os elegeram ou estão substimando a inteligencia da nossa sociedade. É uma pena que muitos não percebem
 
ismael oliveira em 17/11/2011 03:57:27
É, a ditadura mostra suas faces. Daqui uns dias os Srs. Vereadores vão baixar um toque de recolher em Campo Grande...

Acorda Brasil!!!!!!!!!!

 
daniela dantas em 17/11/2011 03:53:30
Com tanta gte necessitando de um projeto de lei para ajudar a sanar problemas como: fome, desemprego, educação, saúde, SEGURANÇA, e vc´s da câmara fazendo projetinho de "lei" para não consumir bebidas nas ruas? Precauções para que diminuam acidentes devem ser tomadas sim, mas responda-me: se o cara comprar caixas e caixas de bebida alcoólica e beber em casa e sair e causar acidentes? heim??

 
lucia ramos em 17/11/2011 03:46:49
sou dona de conveniencia,em sao gabriel do oeste e euacho que quem nao quer barrulho deve morar na fazenda,pensas no sussego,e tambem discordo de certas opinioes,nem todos os lugares que vende bebida sao problemas,acho que os politicos devem em pereocupar-se com a onda d violencia, e falo mesmo,ta errado,deixa nos trabalhar ok
 
sandra cristina ce em 17/11/2011 03:37:24
Como são as coisas, não pode vender bebida em posto, dai não vai poder vender em conveniencia, e assim vão se fechando estabelecimentos, ai as pessoas que estão empregadas no mesmo, começam a partir para marginalidade, dai toda população reclama... Porque esses vereadores não fazem projeto para baixar o salario deles ao inves de ficar inchendo o saco dos comerciantes... Vão procurar o que fazer
 
marcio silva em 17/11/2011 03:36:50
O engraçado é que essa aglomeração só acontece em locais onde os donos deixam acontecer, vê se acontece esse tipo de coisa em frente ao "Bebi Festas" alí atrás da cachaçaria... não vejo.
 
Moacyr Neto em 17/11/2011 03:35:26
Nem mesmo no tempo do governo militar existia tanta imposição, quanto os nossos vereadores Campograndesse estão querendo impor aos municipes.Estas idéias está muito parecida com antigas histórias contadas em livros ou novelas dos Coronéis do café e da cana de açucar no tempo do Império. Em pleno século XXI é dificil. Cuidado Srs. vereadores estamos proximo as eleições e o povo poderá julga-los
 
valdenira soares em 17/11/2011 03:34:48
è uma grande demagogia!crian leis a revelia, mas sempre para os outros/ será que quen esta se sentido incomodado hoje no passado tambem era SANTO? lembro bem quando a CARLA peres apareceu na midia todo mundo idolatrava agora ´so porque as coisas evoluiran naõ pode mais?
 
edmar cristino em 17/11/2011 03:33:04
Na minha opnião deveriam se preocupar com a violência nas ruas, não com cidadão honesto que tem direito a se divertir da forma que ele achar correto. Ao invés de proibir, deveriam criar um lugar para que tdos pudessem se divertir sem ser incomodado e sem incomodar a ninguém
 
adriane ramalho em 17/11/2011 03:17:22
DAQUI A POUCO VÃO ME PROIBIR E USAR SHORT,
VÃO ME PROIBIR DE DAR RISADA,
DAQUI A POUCO VÃO PEDIR PRA IMPRENSA NÃO NOTICIAR,
DAQUI A POUCO O ESTADO "DEMOCRÁTICO" VAI ESTAR PIOR DO QUE UMA DITADURA, SE JÁ NÃO ESTÁ É CLARO.

PEÇO AOS VEREADORES O MÍNIMO DE RESPEITO AS LIBERDADES INDIVIDUAIS,
ACHO ENGRAÇADO SE BEBER CERVEJA NA PORTA DA MINHA CASA VÃO QUERER QUE EU PAGUE MULTA OU VÁ PRESO.


 
valdenira soares em 17/11/2011 03:15:53
Nem o projeto de proibição de venda em postos de combustiveis nem o de consumo em vias publicas e praças está certo, isso não vai resolver nada do mesmo jeito que a proibição de venda em rodovias não resolveu, não podem proibir alguem de tomar cerveja em frente a sua casa ou um comerciante de vender um produto legal isso não está certo, sera que os politicos não tem mais nada para fazer ??

 
leidi ajala em 17/11/2011 03:11:38
eu sou contra a proibição, quem quiser beber que beba, os comerciantes qe deixarem fazer muita algazarra em sua convenia que deveria ser multado. Por nos finais de semanas nem todos os mercados abrem, e assim vão prejudicar é as pessoas que gostam de sair !
 
fernanda pereira em 17/11/2011 03:11:23
É INCONSTITUCIONAL uma Câmara Municipal legislar sobre assunto de competência federal. Qualquer um poderá judicialmente requerer seu direito e irá ganhar. Conveniências transformaram-se em points para pobres e ricos se aglomerarem, um pouco de tudo que disseram, o importante é tratar algo como segurança da comunidade, de interesse da saúde pública, e campanhas para educar jovens e adultos !!!!e
 
joaquim carvalho em 17/11/2011 03:09:48
Uma coisa é fato, se não houver rigor na fiscalização e punição essa lei também vai ser mais que ignorada, assim como fazem com a lei do silêncio, as autoridades precisam ficar atentas.
 
Oswaldo Benites em 17/11/2011 03:09:07
Nem mesmo no tempo do governo militar existia tanta imposição, quanto os nossos vereadores Campograndesse estão querendo impor aos municipes.Estas idéias está muito parecida com antigas histórias contadas em livros ou novelas dos Coronéis do café e da cana de açucar no tempo do Império. Em pleno século XXI é dificil. Cuidado Srs. vereadores estamos proximo as eleições e o povo poderá julga-los
 
larissa silva em 17/11/2011 03:06:58
Cansei de estacionar na rua lateral por não haver vaga no estacionamento de uma conveniência na Sebastião Lima. Sem falar na sujeira que fica no chão: latinhas, garrafas pet, papel, chiclete grudado no chão, um nojo!
 
Vera Rolim em 17/11/2011 02:43:17
Também cabe aos donos de conveniências e postos proibir a permanência no local. Estacionamento de conveniência serve pra encostar o carro 5 minutos, fazer a compra e sair. Posto de gasolina ídem. Pois quem quer comprar alguma coisa, não consegue nem entrar nos estabelecimentos, tamanha é a ocupação do espaço por jovens.
 
Vera Rolim em 17/11/2011 02:41:14
Seria bom não ver mais aquela gente mal encarada que vem lá do fim do mundo fazer barulho e causar confusão... em alguns países de primeiro mundo é proibido o consumo de bebidas alcoólicas nas ruas, devemos também adotar essa prática, com certeza irá reduzir e muito o número de acidentes e assassinatos...resta saber se esse projeto se aprovado será realmente fiscalizado e os culpados punidos...
 
Luciano Bandeira em 17/11/2011 02:16:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions