ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Polícia agora investiga se adolescente bebeu no dia da morte de empresário

Inquérito sobre morte de empresário foi concluído pelo 1º DP nesta sexta-feira (13)

Por Luana Rodrigues | 14/01/2017 14:22
Adolescente e padrasto sendo socorridos no dia do acidente. (Foto: Simão Nogueira)
Adolescente e padrasto sendo socorridos no dia do acidente. (Foto: Simão Nogueira)

Encerrado nesta sexta-feira (13) o inquérito sobre a morte do empresário Adriano Correia do Nascimento, 33 anos, a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul agora investiga se o adolescente de 17 anos, que estava no carro da vítima no dia do crime, havia ou não bebido em uma boate, antes do ocorrido.

Um inquérito foi aberto junto a DPCA (Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente), que deve conduzir a investigação a partir do relatório já concluído sobre a morte de Adriano.

Para o supervisor comercial Agnaldo Espinosa da Silva, 48 anos, o objetivo da polícia é “desviar o foco” da morte do empresário, morto pelo policial rodoviário federal, Ricardo Hyun Su Moon, 47 anos.

“Eles estão falando que a gente estava bêbado, mas nem tem como provar isso, porque nem o bafômetro nós fizemos naquele dia. Independente disso, não sei meu filho bebeu, porque não fiquei com ele o tempo todo na festa, mas estou com minha consciência limpa”, diz.

O adolescente é enteado de Aguinaldo e amigo de Adriano. Foi atingido por dois tiros na perna no dia do crime. Chegou a ficar internado, mas passa bem.

O Campo Grande News tentou falar com o delegado Paulo Sergio Lauretto, que deve conduzir as investigações sobre a embriaguez do garoto, que se confirmada pode render punição os responsáveis, mas as ligações não foram atendidas.

Com relação ao resultado das investigações sobre a morte de Adriano, a Polícia Civil afirma que só dará detalhes sobre o caso durante uma entrevista coletiva, maracda para esta terça-feira (17).

Versões - O crime, ocorrido na manhã de 31 de dezembro de 2016, um sábado, teria começado após uma briga no trânsito. Na versão do policial, que é lotado na PRF (Polícia Rodoviária Federal) e seguia em um Mitsubishi Pajeto para a rodoviária, o condutor da Hilux provocou suspeita pela forma que dirigia e fez a abordagem após ter sido fechado.

Ele reforçou que sempre se identificou como policial. Na reconstituição, Ricardo usou colete à prova de balas e a polícia interditou dois trechos da avenida, o que resultou em congestionamento por volta das 7h, horário de pico no trânsito.

Com a morte de Adriano, a versão sobre o que aconteceu naquele sábado foi dada pelos passageiros Agnaldo e o enteado de 17 anos. Eles afirmam que Ricardo não se identificou como policial e que não tiveram conduta capaz de justificar os disparos efetuados pelo PRF.

Idas e voltas – Desde o dia do crime, o caso é marcado por conflitos. Primeiro, o juiz concedeu liberdade ao policial, que foi solto em primeiro de janeiro. A decisão foi alvo de reclamação da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), que anunciou que entraria com representação sobre o caso no CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

Contudo no dia 5, o mesmo juiz, a pedido do MPE (Ministério Público estadual), decretou a prisão preventiva. O Ministério Pública alegou que o caso teve circunstâncias especialmente graves e cita fatos que não podem ser “desprezados”. Como Ricardo ser um policial, portanto com dever legal de proteger os cidadãos e que, por ser da PRF, tem um dos treinamentos mais rígidos dentre as forças policiais.

Segundo o MPE, apesar do registro informar que Ricardo foi conduzido pela PM (Polícia Militar), ele compareceu à delegacia de forma espontânea, onde recebeu a voz de prisão em flagrante. Também é destacado que o crime foi às 5h40 e o depoimento do policial foi encerrado às 12h55.

Para a promotoria, “indício de que houve atuação irregular” em favor de Ricardo. O Ministério Público pediu que a conduta dos policiais militares seja averiguada por meio de inquérito da Polícia Civil. Desde ontem, com o fim do recesso do Poder Judiciário, o caso tramita na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

Ricardo está preso em uma cela do Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), desde o dia 5 de janeiro deste ano, quando foi decretada sua prisão preventiva.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário